Arthur Lira: o que esperar do presidente da Câmara dos Deputados

No dia 1º de fevereiro, o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados, cadeira que ocupará até 2023.

Em um momento de recessão econômica e instabilidade política, Arthur Lira assume o comando de uma Casa fragmentada com a proposta de tocar adiante uma pauta emergencial de combate à crise da Covid-19.

O parlamentar foi eleito com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, e a expectativa do mercado é que o “líder do Centrão” avance na agenda de reformas econômicas do governo, em especial a reforma administrativa e a tributária.

Neste artigo da Warren, vamos explicar a trajetória de Lira, a conjuntura que o levou à presidência da Câmara e como sua eleição afeta o cenário econômico — e os seus investimentos.

Quem é Arthur Lira?

Arthur Lira, foto
Arthur Lira. Crédito: Câmara dos Deputados

Natural de Maceió, Arthur Lira tem 51 anos, é casado e tem cinco filhos. Além de parlamentar, é advogado e empresário do ramo agropecuário.

É filho do político alagoano Benedito de Lira, ex-vereador pelo Arena que elegeu-se deputado estadual, federal e senador por diversos partidos. 

Hoje, é prefeito de Barra de São Miguel, no Alagoas.

Atualmente, Arthur Lira cumpre seu terceiro mandato consecutivo pelo Partido Progressista (PP). 

Antes disso, foi vereador e deputado estadual, passando pelo PFL (hoje DEM), PSDB, PTB e PMN.

Em dez anos de atuação na Câmara, o parlamentar liderou diversas vezes o PP e coalizões do Centrão — bloco de partidos sem ideologia clara, mas com grande influência na formação de alianças com o governo ou a oposição.

Lira anunciou seu alinhamento e do PP ao governo em 2020

Desde então, o deputado ganhou destaque como interlocutor entre o Planalto e o Centrão, defendendo pautas do Executivo e buscando blindar Bolsonaro contra um possível processo de impeachment.

Em 2019, o parlamentar já havia ensaiado uma candidatura à presidência da Câmara, em oposição ao então presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Porém, Lira abriu mão da campanha por falta de apoio suficiente para derrotar Maia.

Antes de avançar e explicar como Lira foi eleito neste ano, porém, vale a pena retroceder alguns passos para entender a importância do cargo de presidente da Câmara dos Deputados — e por que ele é tão cobiçado.

LEIA TAMBÉM | Pautas do governo para 2021: o que esperar

Banner BDRs 2

Qual a importância do cargo de presidente da Câmara?

Arthur Lira eleito, foto
Arthur Lira eleito. Crédito: Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara tem a função de definir a pauta de votação da Casa. 

Em outras palavras, ele decide quando — e se — as propostas dos deputados serão votadas em plenário.

Além disso, esse cargo é o único com poder de abrir processos de impeachment contra o presidente da República. 

Qualquer cidadão pode apresentar um pedido de impeachment, mas a prerrogativa de aceitá-lo ou não é exclusiva do presidente da Câmara.

Além disso, o presidente da Câmara é o segundo na linha sucessória presidencial do Brasil. 

Se o presidente e vice-presidente da República estiverem ausentes, é ele quem governa o país.

Esta posição de Lira na linha sucessória gera controvérsia: o deputado é réu no Supremo Tribunal Federal (STF), investigado por corrupção passiva

Por decisão do próprio STF, essa condição o impediria de assumir o Planalto na ausência de Bolsonaro e Mourão.

LEIA TAMBÉM | Dominância fiscal: o que significa, quais os riscos e como se proteger 

Por que Arthur Lira foi eleito presidente da Câmara?

por que arthur lira foi eleito, ilustração

Lira foi eleito em primeiro turno, com 302 dos 505 votos dos deputados. 

O segundo colocado, Baleia Rossi (MDB-SP), teve menos da metade desta adesão, com 145 votos.

A eleição para a presidência da Câmara tornou-se palco de uma disputa entre grupos pró e contra o presidente Jair Bolsonaro — Lira contou com o apoio do Planalto, enquanto Baleia Rossi era endossado por Rodrigo Maia e diversos partidos da oposição.

A campanha de Arthur Lira foi marcada por forte influência do governo federal, fato reconhecido pelo próprio presidente Bolsonaro em declaração à imprensa.

A oposição acusou o Planalto de oferecer verbas extras a deputados em troca de apoio ao candidato do governo, embora o orçamento para 2021 ainda não tenha sido aprovado.

Bolsonaro ainda sinalizou a possibilidade de recriar ministérios extintos para negociar cargos com o Centrão, caso os candidatos do Planalto vencessem as presidências do Congresso (Lira na Câmara e Rodrigo Pacheco, do DEM, no Senado).

Por outro lado, a oposição que apoiava o deputado Baleia Rossi foi criticada por formar uma aliança difusa e pouco coerente.

O grupo anti-Lira reuniu partidos de posições notoriamente divergentes, como PT, PSDB, MDB, Solidariedade e Cidadania, além do próprio Maia.

Outro fator enfraqueceu o nome de Baleia Rossi: em troca de verbas e cargos, vários partidos de oposição na disputa da Câmara (como PT, PDT e Rede) se aliaram a grupos bolsonaristas no Senado para apoiar a candidatura de Rodrigo Pacheco.

À parte de intrigas, críticas e denúncias, os resultados das eleições marcaram a vitória do Planalto, que elegeu seus candidatos às presidências da Câmara e do Senado.

Como é a relação entre Lira e Bolsonaro?

Apesar do forte apoio de Jair Bolsonaro à candidatura de Arthur Lira, a proximidade entre os dois políticos surgiu apenas em 2020.

Antes de se candidatar à chefia da Câmara, o deputado era moderadamente crítico do presidente

Em 2019, publicou nas redes sociais que o governo seguia uma “pauta de polêmicas” e que precisava “entrar em sintonia com a população”.

No mesmo ano, Lira apoiou a reforma da Previdência, mas negociou a exclusão de trechos considerados importantes pelo governo, “desidratando” o texto e a economia projetada ao final.

Outro então desafeto do deputado era o ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem acusou de priorizar os interesses de bancos acima da reconstrução do país. 

Lira também chamava o ministro de “vendedor de redes”, alguém que fala mais do que faz.

Entretanto, esta relação entre Lira, Bolsonaro e os ministros parece ter melhorado. 

Ao assumir a presidência da Câmara, o deputado reafirmou seu compromisso de atuar em sintonia com outros Poderes e buscar o equilíbrio fiscal defendido pelo governo.

LEIA TAMBÉM | O risco fiscal voltou? Entenda por que o mercado está assustado 

Quais são as prioridades de Arthur Lira?

Um dos primeiros pontos defendidos por Lira em seu discurso de posse foi o comprometimento com o equilíbrio das contas públicas.

O novo presidente da Câmara dos Deputados também reforçou a necessidade de vacinar a população contra a Covid-19 (sem a imposição da vacinação obrigatória) e citou a importância de “fortalecer a rede de proteção social”.

Ele afirmou ainda que buscará articulação com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para implementar uma “pauta emergencial” no país.

No campo econômico, Arthur Lira disse que dará prioridade à aprovação do Orçamento para 2021, que ainda tramita no Congresso sem previsão de votação.

Também destacou a urgência de aprovar a PEC Emergencial

Conhecida como “PEC dos Gatilhos”, a proposta permite ao governo congelar concursos públicos e reajustes a servidores, além de reduzir jornadas e salários de funcionários, entre outras medidas.

Para o deputado, a prorrogação do auxílio emergencial ou criação de novos programas de assistência social dependem da PEC dos Gatilhos e devem respeitar o teto de gastos instituído em 2017.

Na sequência, o parlamentar diz que buscará levar a reforma administrativa e a tributária ao plenário ainda no primeiro semestre de 2021.

Em relação às pautas de costumes defendidas pelo governo, envolvendo aborto, armas de fogo e questões de gênero, Lira afirma que os projetos devem ser discutidos por lideranças partidárias e que os temas devem estar “amadurecidos na sociedade”.

LEIA TAMBÉM | O prêmio do Big Brother Brasil nunca valeu tão pouco — e a culpada é a inflação 

O que o mercado financeiro espera de Arthur Lira?

o que esperar de arthur lira, ilustração

As vitórias de Lira na Câmara e Pacheco no Senado tiveram, inicialmente, repercussão positiva no mercado financeiro.

Na legislatura anterior, embora o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre fosse visto como aliado do Planalto, os frequentes atritos entre Bolsonaro e Maia foram considerados responsáveis pela lentidão na agenda econômica do governo.

Com a ascensão de dois líderes alinhados ao Executivo, a expectativa é que a nova conjuntura acelere a tramitação de projetos travados há muito tempo, como as reformas estruturais, o equilíbrio das contas públicas e as privatizações de estatais.

Por outro lado, a eleição de Lira foi viabilizada por promessas de verbas e novos cargos em um momento de fragilidade fiscal do país

Somente em janeiro, o governo federal liberou R$ 511,5 milhões em emendas parlamentares, recorde histórico para um único mês.

Parte do mercado minimiza o impacto desses gastos, argumentando que já estavam previstos e precificados. 

Ainda assim, há especialistas que veem comprometimento fiscal em meio à negociação de verbas e aumento da influência do Centrão sobre a pauta.

Além disso, a derrota de Baleia Rossi decepcionou alguns agentes mais conservadores do mercado. 

Ele é autor da proposta de reforma tributária da Câmara e aliado do grupo do ex-presidente Michel Temer, que deu início ao projeto de ajuste fiscal em 2016.

De forma geral, a reação do mercado à vitória de Lira é de otimismo, sem euforia

A maioria dos analistas acredita que a nova conjuntura favorece a discussão das reformas, mas que ainda não há espaço para os avanços súbitos prometidos pelo deputado.

Por fim, dada a proximidade do ano de eleições presidenciais, é impossível desconsiderar a influência dos interesses políticos sobre a pauta econômica.

Isto significa que os investidores devem estar alertas à volatilidade do Centrão — o bloco é notório por firmar alianças priorizando o interesse eleitoral, e é pouco provável que haja apoio massivo a grandes reformas estruturais que sejam impopulares com o eleitorado.

Se você gostou deste artigo, talvez também se interesse por:

Banner