Taxa CDI 2020: o que é, como calcular e qual seu rendimento

CDI é uma sigla que se refere aos Certificados de Depósitos Interbancários. CDI são títulos emitidos por bancos, com o objetivo de transferir recursos de uma instituição para outra, por um período curto de tempo.

Mas o CDI vai muito além disso: no mercado financeiro, ele é um indexador que serve como referência para investimentos em renda fixa.

Por isso, é muito provável que esse termo já tenha surgido em seus estudos, se você está buscando maneiras eficazes de investir seu dinheiro.

Na prática, o CDI é um número de referência, tanto para taxas de juros quanto para benchmarks de performance de determinados tipos de investimento.

Quer entender melhor?

Neste artigo, você vai aprender tudo que você precisa saber sobre o CDI. Desde os conceitos básicos, até seu impacto na economia e nos seus investimentos.

Além disso, também é importante conhecer outros indexadores igualmente importantes, como o IPCA e a Selic.

Nesse artigo, você aprenderá mais sobre:

  • O que é o CDI
  • Os principais indexadores
  • Como calcular o CDI
  • Investimentos com rendimento perto de 100% do CDI
  • Investimentos que podem render mais de 100% do CDI
  • Comece a investir agora em renda fixa com o Warren

Boa leitura!

O que é o CDI

Entenda o que é o CDI, ilustração

O CDI funciona da mesma forma que um empréstimo, porém, entre os bancos. Normalmente, o CDI ocorre em um prazo bastante curto: o tempo entre o empréstimo e o pagamento é apenas de um dia útil.

Dessa forma, é possível garantir o cumprimento de uma norma conhecida como Acordo de Basileia. Essa regulação proíbe que uma instituição financeira no Brasil feche o dia com saldo negativo em caixa.

Essa regra existe para assegurar que todo banco sempre terá dinheiro para honrar seus compromissos. É uma medida de proteção para os correntistas, além de procurar evitar que a instituição passe por problemas financeiros.

Assim, os bancos que não possuem caixa positivo no final do dia, recorrem a esses empréstimos. Com isso, a transferência de recursos entre bancos promove a solidez do sistema interbancário.

No entanto, como acontece em todos os empréstimos, os bancos também pagam juros. Eles são definidos pela taxa DI (Depósitos Interbancários) ou pela taxa CDI.

Mas você sabe como o CDI afeta os seus investimentos? Acontece que esse rendimento é utilizado como referência para diversas aplicações de renda fixa.

Como o CDI afeta seus investimentos

A taxa CDI é um dos principais indicadores do mercado financeiro, porque serve de referência para aplicações de renda fixa. Você certamente já ouviu alguém falando que determinado investimento rendeu um percentual do CDI, não é mesmo?

No entanto, não é possível investir diretamente no CDI. Assim, é comum encontrar a pergunta: por que o CDI é tão importante para os investidores?

Como dissemos, essa é uma taxa referencial. Isso significa que a rentabilidade de muitos investimentos está atrelada a um percentual do CDI.

É por isso que acompanhar a oscilação desse indexador é fundamental para calcular os rendimentos dos seus ativos.

Mais à frente neste artigo, você verá em detalhes como esse cálculo é realizado. Mas é importante saber, desde já, que o CDI acompanha de perto a taxa básica de juros da economia, a Selic.

Assim, acompanhar a variação da taxa Selic, que é revisada pelo Banco Central a cada 45 dias, acaba sendo fundamental para quem está procurando pelos investimentos de melhor rentabilidade, ou com a melhor relação entre risco e retorno.

Variação da taxa Selic ao longo do tempo

Quando você olha para o passado, logo fica claro por que o CDI impacta de forma tão direta os seus investimentos. Dê uma olhada neste gráfico que separamos, com a variação da Taxa Selic ao longo do tempo:

variação da taxa selic ao longo do ano, gráfico

Como você pode ver, a taxa Selic atingiu 14,25% em 2016. Naquela época, era relativamente fácil obter retornos superiores a 10% ao ano na renda fixa com investimentos atrelados à Selic.

Mas, desde então, a taxa Selic vem caindo, devido ao controle da inflação pelo Banco Central, aliado a um movimento para tornar os financiamentos mais acessíveis a todos os agentes da economia real, em busca da recuperação econômica.

A seguir, vamos conhecer alguns investimentos atrelados ao CDI — e, consequentemente, à taxa Selic, que acabam afetados diretamente por esse movimento.

Antes, vale a pena conhecer os indexadores que, a exemplo do CDI, são fundamentais para você acompanhar os seus investimentos e entender a rentabilidade das aplicações.

Os principais indexadores

Saiba quais são os principais indexadores, ilustração

Embora seja muito importante para os investimentos de renda fixa, o CDI não é o único indicador no qual você deve ficar de olho.

Esses são índices utilizados em todos os tipos de análises na economia, além do CDI: IPCA, taxa Selic e IGPM.

Antes de falar dos principais indexadores, no entanto, é importante entender o que eles são. Tratam-se de taxas de reajustes, utilizadas com três principais objetivos:

  1. Acompanhar o cenário econômico
  2. Corrigir preços
  3. Evitar a volatilidade 

Por exemplo: a precificação de produtos, ajustes do salário mínimo e o aumento do preço dos aluguéis são fatores guiados pelos indexadores. 

IPCA

O IPCA é a sigla para Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Esse é o índice oficial da inflação no país.

O IBGE realiza uma pesquisa mensal, com base em famílias com renda entre um e quarenta salários mínimos. Além disso, os participantes devem residir nas principais áreas metropolitanas do Brasil.

Os dados coletados são baseados em uma cesta de produtos, separados por categoria. Cada categoria tem um peso diferente no resultado do IPCA.

Dessa forma, o cálculo da média das variações entre os preços em relação ao mês anterior, indica a inflação do período.

Os produtos que compõem a cesta e o peso deles para o cálculo do IPCA são:

  • Alimentação e bebidas;
  • Transporte;
  • Habitação;
  • Saúde e cuidados pessoais;
  • Despesas pessoais;
  • Vestuário;
  • Comunicação;
  • Artigos de Residência;
  • Educação.

Taxa Selic

A taxa Selic é considerada a taxa básica de juros do país. A sigla Selic significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia.

É um software que o Banco Central Utiliza para controlar todas as emissões e operações realizadas em títulos federais.

Com base nos juros associados a esses ativos, uma média diária é calculada — a Selic Overnight. Essa é utilizada como base para o CDI.

A taxa Selic Meta, por sua vez, é controlada pelo Copom, sendo definida em reuniões que acontecem a cada 45 dias.

Dessa forma, esse indexador representa o percentual de juros adequados para o controle eficaz da inflação.

Esse indexador é utilizado como referência para as demais tarifas relacionadas ao empréstimo de dinheiro.

Portanto, além de ter uma relação próxima com a taxa DI, esse é um dos principais indexadores para a economia brasileira.

LEIA MAIS | Como a Selic em baixa impacta a vida do investidor?

CDI

Como aprendemos, o CDI representa a média das taxas de juros aplicadas em empréstimos feitos entre os bancos.

Esse índice normalmente tem seu valor muito próximo à taxa Selic. No entanto, sua variação é diária. 

Ele é utilizado principalmente como referência e benchmarks para aplicações de renda fixa, como os fundos de renda fixa da Warren, por exemplo, que buscam bater a rentabilidade do CDI.

IGPM

A sigla IGPM significa Índice Geral de Preços do Mercado. Assim como o IPCA, esse é um indexador que visa medir a inflação no país.

Uma das principais diferenças está na instituição que realiza a coleta de dados. Nesse caso, a tarefa fica a encargo da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

A metodologia de cálculo também é bastante diferente. Ela é composta da seguinte forma:

  • 60% do peso: IPA-M (Índice de Preços por Atacado)
  • 30%: IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor)
  • 10%: INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção)

Como é calculado o CDI

Saiba como é feito o cálculo do CDI, ilustração

O cálculo da taxa CDI Mensal é realizado através da média das taxas diárias. Todas essas operações são computadas pela Cetip no dia a dia.

Dessa forma, é possível gerar uma média ponderara, cuja porcentagem é a referência diária do CDI.

Normalmente, essa taxa é expressa em valores anuais. No entanto, é possível descobrir a média mensal dividindo o valor acumulado por 12.

Mas lembre-se: a Taxa CDI sofre variações diariamente. Dessa forma, o cálculo da média serve apenas como base de referência.

O ideal é, em vez de fazer o cálculo, verificar o valor divulgado diariamente pela Cetip.

Mas então, o que significa quando um investimento promete 100% do CDI, ou mais? O cálculo desse rendimento é feito multiplicando o percentual do CDI do investimento pela taxa DI acumulada no período de aplicação.

Quer um exemplo?

Exemplo de correção pelo CDI

Suponha que você queira descobrir quanto rendeu um investimento cuja rentabilidade é calculada a partir do CDI.

Utilizando a Calculadora do Cidadão desenvolvida pelo Banco Central, descobrimos a variação do CDI ao longo do tempo, e podemos corrigir os valores.

Como um exemplo, vamos utilizar um investimento de R$ 50 mil do dia 01/01/2019 a 31/12/2019. O valor do CDI no período foi de 5,94%.

Como resultado, você teria R$ 52.970,88 ao fim da aplicação, sem considerar despesas com impostos.

E se a aplicação tivesse um retorno de 110% do CDI? O rendimento seria de 6,55%, resultando em R$ 53.277,47.

Na Calculadora do Banco Central , você pode fazer todos esses cálculos de forma rápida, fácil e simplificada.

Agora, se você já investe com a Warren, isso fica ainda mais fácil, porque nós entregamos a sua rentabilidade líquida (já desconsiderando impostos e taxas), de acordo com o CDI do período.

Investimentos com rendimento perto de 100% do CDI

Então, você já sabe: os melhores investimentos em renda fixa são aqueles que acompanham o CDI de perto, ou rendem acima do CDI.

No caso dos investimentos que ficam perto de 100% do indexador, o objetivo normalmente é proteger o dinheiro da desvalorização causada pela inflação. Esses são ativos com rendimento mais baixo, porém estável e seguro.

Veja alguns exemplos: 

Tesouro Selic

A taxa de Depósitos Interbancários possui uma relação muito próxima da Selic. Existem algumas diferenças, mas os valores costumam ser bastante próximos um do outro.

O Tesouro Selic, por sua vez, é um título público cuja rentabilidade está diretamente atrelada à Selic. Dessa forma, essa é uma opção viável para investidores que buscam acompanhar o índice.

Os títulos públicos do Tesouro são populares devido sua segurança e acessibilidade. Os aportes para o Tesouro Selic 2025, por exemplo, começam em R$ 100.

No entanto, com a taxa básica de juros a 2,25% desde junho de 2020, o valor mais baixo de sua história, e com tendência a continuar caindo, muitos têm se perguntado se investir no Tesouro Selic ainda vale a pena. Você pode ler nossa análise do assunto nesse artigo.  

LEIA MAIS | Tudo sobre o Tesouro Selic e qual sua rentabilidade em 2020

Fundo Warren Renda Fixa Simples

O fundo Warren Renda Fixa Top é nosso produto próprio mais conservador.

Ele tem composição de 100% em renda fixa, tendo como objetivo acompanhar o CDI e proteger o poder de compra do seu patrimônio.

Confira o relatório de rendimentos em 2019: 

Rendimento Fundo Warren Renda Fixa Simples (Novembro 2019), gráfico
Rendimento Fundo Warren Renda Fixa Simples (Novembro 2019)

Você pode conhecer melhor esse produto clicando nesse link.

Investimentos que podem render mais de 100% do CDI

Aqui na Warren, estamos sempre buscando a melhor performance de rendimentos, mesmo em nossos produtos mais conservadores. A seguir você encontra duas opções que visam rendimento acima do CDI.

Lembrando que os produtos próprios da Warren têm taxa zero. Ao contrário de outras corretoras do mercado, a Warren não cobra taxa de administração ou taxa de performance em nenhum dos seus fundos de investimento. Como resultado, investir com a gente é, em média três vezes mais barato do que nas outras corretoras.

LEIA MAIS | Como é o serviço de Wealth Management e carteira administrada da Warren. 

Fundo Warren Crédito Privado

O fundo Warren Crédito Privado é um investimento de perfil conservador, com 100% do patrimônio alocado em renda fixa. Esse produto, no entanto, foca em títulos privados, como CBDs, LCI, LCA e debêntures.

Você pode ler mais sobre esse produto e encontrar detalhes sobre o portfólio nesse link.

Veja os resultados desse fundo:

Rendementos do Fundo Warren Crédito Privado (Novembro 2019), gráfico
Rendementos do Fundo Warren Crédito Privado (Novembro 2019)

Comece a investir agora em renda fixa com a Warren

Investir com a Warren é muito prático. Aqui, você obtém rendimentos melhores que no restante do mercado, já que economiza na taxa de administração — nosso preço é 4 vezes mais baixo que a média.

Além disso, todos os serviços que você precisa para alcançar seus objetivos financeiros estão inclusos nessa taxa única. Nada de surpresas e custos escondidos.

Clique aqui para entender melhor como funcionam nossos serviços.

Abrir sua conta é muito fácil. Basta responder a algumas perguntas e você já descobre seu perfil de investidor.

Assim que o processo de cadastro — totalmente online — for concluído, você receberá as melhores recomendações para o seu perfil de investidor. Então, é só começar a investir.

Conclusão

Agora você já sabe o que é CDI, além de conhecer melhor os principais indexadores do mercado financeiro.

Embora não seja possível investir diretamente nesses índices, existem muitas opções com rendimentos atrelados a eles.

Portanto, para fazer boas escolhas de investimentos, é fundamental conhecer e acompanhar cada um deles. E, falando em selecionar ativos mais vantajosos para você, não esqueça de conferir os produtos próprios da Warren.

Clique aqui para abrir sua conta e começar a aumentar seu patrimônio hoje mesmo.

Indo além do CDI

Se você tem mentalidade de longo prazo, quer ir além do CDI e seu perfil de investidor comporta o investimento em renda variável, talvez seja uma boa opção analisar os fundos de renda variável.

Neste caso, você delega a gestão e a escolha das ações a gestores especialistas no assunto, e pode ficar sossegado enquanto seu dinheiro é aplicado na Bolsa de Valores.

Quer continuar aprendendo sobre o mundo dos investimentos e ir muito além do CDI? Dê uma olhada nesses outros artigos que separamos para você:

Esta publicação possui natureza informativa, não devendo ser entendido como recomendação de qualquer investimento ou sugestão de alocação por parte dos destinatários. Os ativos financeiros e/ou as carteiras de investimentos discutidas neste material podem não ser adequadas para todos os investidores, tendo em vista que os objetivos de investimento, situação financeira e necessidades de cada investidor podem variar. Para avaliação da performance de um fundo de investimento, é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou do Fundo Garantidor de Crédito – FGC. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. Leia o prospecto, o formulário de informações complementares, lâmina de informações essenciais e o regulamento antes de investir.