Coronavírus causa queda nas bolsas. E agora?

A Bolsa Brasileira tem renovado suas máximas desde o final de 2019, chegando a bater os 119 mil pontos. Nas últimas semanas, entretanto, tem sofrido algumas oscilações.

No pregão pós-Carnaval, nesta quarta-feira, dia 26, o Ibovespa fechou em forte queda, muito em função dos avanços do coronavírus pelo mundo e pela confirmação do primeiro caso da doença no Brasil.

Nosso gestor, Thomaz Fortes, explica que a tensão na saúde pública global e os efeitos da epidemia na oferta e demanda mundial devem ser o assunto do ano de 2020. Ainda assim, tranquiliza:

“Apesar da incerteza sobre o tema e o tratamento do coronavírus, não é a primeira vez que as bolsas sofrem com epidemias. É difícil comparar, porém em todas as outras ocorridas houve recuperação forte nos períodos seguintes”, explicou.

O que isso quer dizer?

Já mostramos aqui no blog como outras epidemias impactaram as bolsas globais historicamente – confira clicando aqui.

Queremos reforçar que o mercado de ações é assim mesmo, vive de altas e baixas e você não precisa se preocupar com isso

Afinal, a Bolsa de Valores nada mais é do que diversas pessoas e instituições comprando e vendendo ações o tempo inteiro. Os preços sobem e descem no curto prazo e isso pode ocorrer tanto por uma causa pontual (como a epidemia do coronavírus), quanto sem um motivo muito racional aparente (um tweet, por exemplo).

Então, o que o investidor deve fazer agora?

O mantra continua o mesmo: a bolsa recompensa quem tem paciência.

É importante manter a estratégia e a calma. Lembre-se que as oscilações são completamente normais.

No gráfico, abaixo, você pode conferir a evolução do Ibovespa desde 1995. Repare que houve momentos de quedas, sim, mas no longo prazo a curva é bastante positiva.

Nosso gestor reforça que, ao manter a posição com os seus investimentos, você não realiza a perda do curto prazo. Os valores que você possui investido em portfólios com renda variável devem ser pensados sempre no longo prazo, por isso não se preocupe com estes movimentos de queda nas bolsas.

Invista sempre!

A melhor estratégia é investir regularmente, de preferência, pelo menos uma vez por mês. Investindo sempre e de maneira diversificada você reduz os riscos com a queda nas bolsas e maximiza seus ganhos no longo prazo.

Comece agora a investir com a Warren!

Leia também: O impacto que epidemias causaram historicamente na bolsa de valores