Como investir em ouro

Alguma vez você considerou investir em ouro? Existem opções de incluir esse commodity em seu patrimônio sem que tenha que, necessariamente, mantê-lo fisicamente em um cofre em casa (como à moda antiga).

Assim como ocorre com qualquer outro ativo, ele é indicado para determinados perfis de investidor e pode ter vantagens e desvantagens, que precisam ser consideradas na hora de fazer a sua escolha — o que envolve, principalmente, os seus objetivos com a carteira de investimentos.

Pensando nisso, resolvemos elaborar este artigo e mostrar alguns pontos importantes que você precisa saber antes de tomar uma decisão. Quer aprender mais sobre o assunto? Então, continue conosco e confira:

  • Por que investir em ouro?
  • Como investir em ouro?
  • O que pode afetar o valor do ouro?
  • O que é preciso ponderar na hora de investir em ouro?
  • Afinal, vale a pena investir em ouro?
  • Qual é o passo a passo para investir em ouro na prática?

Por que investir em ouro?

Por que investir em ouro, ilustração

Se você quer diversificar os seus investimentos, tem objetivos de longo prazo e quer garantir mais segurança para a sua carteira, investir em ouro é uma excelente opção. Mas por que ele é visto dessa forma?

O ouro consiste em um bem que não pode ser fabricado, uma vez que é natural. Dessa maneira, ele não sofre oscilações a partir de mudanças que os governos promovem na economia.

Devido a isso, podemos dizer que ele ajuda a preservar o seu capital em períodos de maior volatilidade nos investimentos e, consequentemente, acaba compensando o risco de outros ativos nesses momentos. Logo, ele é enxergado pelos investidores como uma reserva de valor e é por isso que ajuda a aumentar a segurança da carteira.

Quais são as principais vantagens de investir em ouro?

O ouro é comercializado em todo mundo e tem uma cotação mais estável do que outros ativos. Então, podemos dizer que ele serve para proteger o seu patrimônio de situações como a elevação dos índices de preços no mercado e de desvalorizações do dólar, por exemplo.

A rentabilidade também tende a ser maior do que a de outros investimentos que também trazem segurança para a carteira (como os de renda fixa) ao longo do tempo. Justamente por não sofrer intervenções do governo, ele oferece mais estabilidade do que os próprios títulos do Tesouro (que já são bem-vistos quando falamos de baixo grau de risco).

Além do mais, o ouro tem uma tendência ainda maior de valorizar em períodos de crise, um momento que também contribui para que esse ativo tenha uma liquidez alta. Dependendo de quais são os seus objetivos financeiros, essa é uma característica excelente.

Por fim, o investimento em ouro também é uma forma de se proteger contra uma possível desvalorização da moeda — o que é conhecido no mercado financeiro como hedge. Portanto, ele é uma das opções mais seguras quando falamos de longo prazo.

Como investir em ouro?

Como faço para investir em ouro, ilustração

Afinal, como investir em ouro? Esse commodity pode fazer parte do seu patrimônio de diversas maneiras. A seguir, mostramos as principais delas.

Ouro físico

Você pode comprar ouro em espécie e mantê-lo em um cofre em casa ou no banco. Para isso, procure uma corretora que seja autorizada tanto pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) quanto pelo Banco Central (BC).

Fundos de investimentos

De maneira resumida, um fundo de investimento é uma maneira de aplicação financeira na qual diversos investidores se reúnem com o objetivo de investir em uma carteira de ativos e recebe uma espécie de cotas de acordo com os valores aportados.

No caso do ouro, você pode investir por meio de uma corretora e a gestão é feita por meio do profissional chamado de gestor do fundo. Devido a isso, você precisa estar ciente de que é feita a cobrança de uma taxa de administração.

Também é necessário ter conta em uma corretora, que deve ser credenciada pela bolsa de valores. Entre os custos envolvidos nesse tipo de transação, estão:

  • Taxa de custódia (paga mensalmente à B3);
  • Taxa de intermediação da corretora de valores na operação;
  • Alíquota de 15% do Imposto de Renda sobre o ganho de capital, caso o lucro seja superior a R$20 mil mensais.

Contratos futuros de ouro

Como o nome sugere contratos futuros de ouro consistem em acordos realizados pela compra e venda do metal em determinado momento no futuro, por um valor que é preestabelecido. Apesar de esse preço ser definido no momento em que a negociação é feita, o pagamento só é feito na data de vencimento.

Em geral, a negociação é feita por meio de um contrato padrão, que considera o peso de 250g de ouro fino. Porém, é possível encontrar outras opções. Entenda melhor cada uma delas a seguir.

Contrato padrão

Nesse caso, é negociada uma barra de ouro com o peso equivalente a 250g. Também é chamado de OZ1D. O valor do contrato leva como base a cotação do grama do ouro, multiplicando pelo peso da barra. Então, se o valor é de R$200/grama, por exemplo, o preço total do contrato é de R$50 mil. 

Esse tipo de contrato pode ser negociação no mercado futuro, de opções, a termo e à vista.

Contrato fracionário 1

No contrato fracionário 1 (OZ2D), são negociadas 10g de ouro. Considerando o mesmo exemplo anterior, com a cotação a R$200/grama, o valor desse contrato é de R$2 mil. Ele pode ser negociado somente no mercado à vista.

Contrato fracionário 2

Já no contrato fracionário 2 (OZ3D), comercializa-se 0,225 gramas de ouro. Nesse caso, considerando os exemplos anteriores da cotação, o contrato custa R$45. Ele é o que tem a menor liquidez dos três e pode ser negociado somente no mercado à vista.

O que pode afetar o valor do ouro no mercado?

Apesar de não sofrer interferência direta das decisões tomadas pelos governos, existem alguns fatores que podem influenciar (para cima ou para baixo) a cotação do ouro no mercado. Veja os maiores deles.

Inflação

Lembra que dissemos que o ouro ajuda a proteger a sua carteira? Quando a inflação aumenta, a tendência é a de que investidores procurem investimentos mais seguros e moedas mais estáveis. Devido a isso, é natural que o dólar fique mais caro e, consequentemente, a cotação do ouro também suba (já que ela está atrelada a ele).

Cotação do dólar

Já que tocamos no assunto do dólar, é importante dizer que a cotação do ouro é definida no mercado em dólar. Isso significa que o preço do metal será alterado com base nas altas e nas baixas que a moeda sofre. 

Portanto, se o preço do dólar abaixa, o valor do ouro também vai diminuir, naturalmente.

Contexto econômico

Situações importantes no cenário econômico e político podem influenciar diretamente o preço do ouro, especialmente se eles causam alterações no câmbio. É o caso de brigas comerciais entre países (como China e EUA).

O que é preciso ponderar na hora de investir em ouro?

O que levar em consideração na hora de investir em ouro, ilustração

Até aqui, você viu como o ouro pode trazer vantagens para a sua carteira e os seus objetivos financeiros, certo? Todavia, precisamos deixar claro que esse ativo não é feito só de pontos positivos. Por isso, resolvemos deixar um tópico exclusivo para falar sobre alguns contras. Vamos lá?

Baixa liquidez

Apesar de ser um excelente investimento, o ouro pode perder atratividade em alguns momentos, como a economia em crescimento e uma queda na demanda. Por isso, se você tem objetivos de curto e médio prazo, ele pode não ser a melhor opção, já que o cenário pode mudar bastante em pequenos intervalos de tempo.

Além disso, lembra dos contratos fracionários (1 e 2)? Eles são menos negociados na bolsa do que o padrão. Se você quer uma liquidez maior, precisa contar com um capital disponível consideravelmente maior (basta ver a conta básica que fizemos sobre os valores de cada um deles).

Interferência do clima na cotação

Dependendo das condições climáticas, a extração do ouro pode ser dificultada (o que é comum para itens como commodities). Nessas situações, é natural que a cotação do metal fique mais alta no mercado.

Despesas com segurança

Se você opta por investir no ouro em espécie, precisa saber que terá uma despesa extra com segurança para esse ativo, além de se tratar de uma negociação ainda mais complicada. 

Por isso, se você quer mais praticidade e segurança, o ideal é investir em fundos de investimentos e contratos futuros.

Não é adequado para todos os perfis de investidores

Se o seu perfil de investidor envolve negociar de maneira especulativa e tem objetivos de curto e médio prazo, o investimento em ouro não é a melhor opção, já que não oferece rentabilidade e segurança em intervalos de tempo menores.

Alta volatilidade

Se formos considerar o curto prazo, a volatilidade do ouro é muito alta, em decorrência da liquidez alta que ele tem no mercado secundário. Mais um motivo para não contar com ele como um ativo para objetivos com tempos menores.

Não gera renda

Por fim, vale destacar que ele não oferece rendimentos regulares para os investidores, como é o caso de pagamento de dividendos e juros. Isso significa que você só obtém ganhos com o ouro caso consiga vendê-lo por um valor maior do que pagou na negociação.

Afinal, vale a pena investir em ouro?

Realmente vale a pena investir em ouro, ilustração

Sabendo de todas as informações acima, vale a pena (ou não) investir em ouro? Mais uma vez: tudo depende dos seus objetivos com a sua carteira de investimentos. Então, ele é uma excelente opção se você:

  • Tem objetivos de longo prazo;
  • Não procura liquidez imediata;
  • Quer diversificar o seu portfólio de investimentos com segurança;
  • Tem certa disposição para investir em ativos sem garantia do FGC;
  • Quer proteger a sua carteira.

Conhecer o seu perfil de investidor

Antes de qualquer coisa, você precisa saber qual é o seu perfil de investidor. Todas as corretoras aplicam esse teste para os clientes. É por meio dele que se sabe qual é a sua disposição para correr riscos para alcançar a rentabilidade desejada. É assim que se entende quais investimentos são mais adequados para seus objetivos, seu perfil e suas necessidades.

Bônus: espere o momento adequado para sacar

Como dissemos lá no início, o investimento em ouro tem como objetivo, entre outros, proteger ainda mais a sua carteira da volatilidade do mercado. Por isso, é recomendável que você escolha os momentos mais adequados para sacar, como é o caso de uma emergência.

Investir em ouro pode ser uma excelente opção na hora de diversificar a sua carteira, ao mesmo tempo em que corre menos riscos. Apesar de ter uma volatilidade maior no curto prazo (principalmente em cenários econômicos e políticos instáveis), ele pode proporcionar ganhos excelentes no longo prazo.

O que achou do artigo? Nós também achamos que você vai gostar de ler: