Momento Netscape: o que um IPO dos anos 90 tem a ver com a chegada da Coinbase à Bolsa

Neste mês, o mercado financeiro assistiu a um episódio histórico: a maior corretora de criptomoedas do mundo, a Coinbase, abriu capital na Nasdaq. A Coinbase é a primeira empresa da indústria de criptomoedas a chegar à Bolsa de Valores.

Os números por trás deste acontecimento são de encher os olhos — e a eles daremos a devida atenção em seguida. No entanto, a importância do IPO (a oferta pública inicial de ações) da Coinbase transcende os bilhões envolvidos e os recordes quebrados.

Afinal, a estreia da Coinbase no mercado de ações vem sendo chamada de “momento Netscape” das criptomoedas. 

Netscape? O que uma empresa dos anos 1990, já extinta, tem a ver com o mercado cripto?

O momento Netscape é um termo que surgiu depois que a Netscape, uma das primeiras empresas da Internet, fez história ao abrir capital em 1995. Hoje, o termo serve para descrever um IPO que balança o mundo e abre as portas para uma indústria promissora.

Entendeu onde a comparação começa a fazer sentido? Neste artigo, conto um pouco da história da Netscape e por que a sua chegada à Bolsa de Valores foi (e continua sendo) tão importante. 

Dando um pulo de mais de 25 anos, chegamos então à Coinbase e ao impacto que o seu IPO causou. 

Com esse panorama traçado, será que podemos tirar algumas lições a partir da história da Netscape?

O momento Netscape

Talvez você nunca tenha ouvido falar na Netscape, mas com certeza sente o impacto e a influência desta empresa toda vez que acessa a Internet.

No fim dos anos 1980, o físico britânico Tim Berners Lee fundou os princípios básicos da Internet como a conhecemos hoje, a “World Wide Web”. 

Trabalhando em um projeto de acelerador de partículas, Lee queria encontrar uma forma de resolver a perda de informação entre os membros da equipe.

O cientista implementou um sistema que permitia o acesso à informação de uma forma descentralizada, por meio de um navegador. 

O projeto deu origem às estruturas básicas que compõem a web até hoje — websites, protocolos HTTP, hiperlinks.

Só que a Internet e os navegadores permaneceram por um bom tempo restritos a empresas, centros de pesquisa, organizações militares e instituições acadêmicas.

Aí entra a importância da Netscape, responsável por apresentar o potencial da Internet ao mundo.

Antes de Google Chrome, Firefox e Safari dominarem os nossos aparelhos, existiu o Netscape Navigator, o navegador responsável por universalizar a web nos anos 1990.

LEIA TAMBÉM | Google: como o gigante da tecnologia chegou ao patamar atual

Com foco em uma boa experiência de usuário, a Netscape lançou o Netscape Navigator em outubro de 1994. O navegador era gratuito, fácil de usar e compatível com o sistema operacional mais usado no mundo, o Windows.

A atenção do mercado logo veio. Em agosto de 1995, a empresa fez a sua abertura de capital na Nasdaq. Em um dia de negociação, o valor de mercado da Netscape chegou a US$ 2,9 bilhões.

Nada mal para uma empresa com 16 meses de existência.

A rápida euforia do mercado na ocasião do IPO da Netscape sinalizou mais do que o crescimento de uma nova empresa. O fato de que uma companhia jovem conseguiu atrair atenção tão rapidamente indicava algo maior: o começo de uma nova indústria.

O mercado e o mundo enfim passaram a levar a sério o potencial da Internet como uma indústria promissora.

De certa forma, este foi o começo da euforia generalizada com as empresas “.com”. O impacto cultural deste IPO foi tão grande, que assim surgiu o termo “momento Netscape”.

A cada nova indústria que surge no horizonte, o mercado fica à espera do “momento Netscape” daquele segmento. A virada que simboliza a consolidação de algo promissor.

E é aí que chegamos ao IPO da Coinbase, que tem sido chamado por muita gente de “momento Netscape” das criptomoedas.

Entre as pessoas que fizeram a comparação está Mike Novogratz, CEO da firma Galaxy Digital e um dos primeiros entusiastas das criptomoedas em Wall Street.

Banner planilha 1

Uma reviravolta para o mercado de criptomoedas

Para contextualizar a importância do IPO da Coinbase, é importante trazer um breve panorama sobre o mercado de criptomoedas!

A criação do Bitcoin 

A crise das subprimes, iniciada em 2007, serviu de pano de fundo para o surgimento das criptomoedas.

Essa crise crise ocorreu a partir da criação de instrumentos financeiros baseados em empréstimos hipotecários de alto risco (sem que isso ficasse claro).

A alta liquidez no mercado imobiliário dos EUA criou incentivos para que a população contratasse crédito sem um controle sobre a capacidade de pagamento.

Em paralelo, títulos internacionais atrelados a esses financiamentos eram negociados globalmente, gerando uma bola de neve que culminou na pior crise desde 1929.

Além dos efeitos práticos na vida de milhões de pessoas, a crise teve como resultado uma enorme descrença em relação às instituições financeiras tradicionais.

Foi neste contexto de desconfiança com o poder centralizador dos bancos centrais que a primeira criptomoeda descentralizada do mundo, o Bitcoin, surgiu em 2008.

Por trás do Bitcoin, permitindo o seu funcionamento descentralizado, há uma tecnologia fascinante: o blockchain.

Inclusive, grande parte da empolgação do mercado e do mundo em relação às criptos se deve à infraestrutura do blockchain.

Se você quiser ler sobre como o blockchain permite o funcionamento do Bitcoin, recomendo um artigo em nosso blog produzido em parceria com o Estadão:

Bitcoin: o seu guia para entender como funciona a criptomoeda.

A chegada da Coinbase à Bolsa

À medida que o mercado cripto ganhava tração, com novas moedas surgindo e investidores criando interesse em entrar, plataformas de exchange começaram a ser criadas. 

Respondendo à demanda, a Coinbase foi fundada em 2012 nos Estados Unidos por Brian Armstrong e Fred Ehrsam. Hoje, ela é a maior corretora de criptoativos do mundo. 

Depois de 14 rodadas de investimentos, que ao todo levantaram US$ 847 milhões, a Coinbase sentiu que era hora de abrir capital na Bolsa. Em janeiro de 2021, começaram os preparativos para o IPO.

O momento não poderia ser melhor: 2020 foi um ano transformador para as criptomoedas. A superação da crise causada pela pandemia só foi possível por conta de uma atuação forte dos bancos centrais

Para muitos investidores, o cenário econômico com alta intervenção do governo indicava a importância de aportar em um ativo descorrelacionado de qualquer política monetária.

Junto, veio o investimento por empresas como Tesla, a adesão de cripto por investidores institucionais e a sua aceitação como pagamento por empresas como Visa e PayPal.

O IPO da Coinbase, que enfim aconteceu em 14 de abril, trouxe à Bolsa primeira empresa do mercado de criptomoedas. E o seu impacto consolidou a confiança do mercado financeiro tradicional nesta nova indústria. 

Enfim, o “momento Netscape” das criptomoedas parece ter chegado.

Depois de anos sendo alvo de crítica e ceticismo, o mercado cripto deu adeus às rodinhas e passou a pedalar com folga mundo afora.

Com mais de 50 milhões de usuários espalhados por mais de 100 países, a Coinbase adicionou outro número surpreendente à sua história depois do IPO.

Ao fim do primeiro dia de negociação na Nasdaq, o valor de mercado da empresa passou dos US$ 100 bilhões.

A euforia em torno da estreia da Coinbase na Bolsa também afetou as cotações das principais criptomoedas do mundo. Bitcoin e Ethereum bateram recordes históricos na mesma semana.

SAIBA MAIS | 4 dicas para suportar a volatilidade

O que a história da Netscape pode nos ensinar

Se a empolgação do mercado em relação à indústria de criptomoedas gerou comparações com a Netscape, é possível estender a analogia e buscar alguns aprendizados.

Afinal, não é à toa que talvez você nunca tenha ouvido falar em Netscape antes de ler este artigo. Apesar de ter sido protagonista entre as grandes novatas tech dos anos 90, a empresa não teve uma vida longa.

Como remonta Hannah Konitshek em seu artigo, uma semana depois do IPO da Netscape, a Microsoft lançou o Internet Explorer, que passou a vir em todos os computadores com sistema Windows.

A disputa entre Netscape e Microsoft por market share ficou conhecida como a primeira “guerra dos browsers” — e quem perdeu foi a Netscape.

Em 1999, a Netscape foi comprada pela AOL por US$ 10 bilhões e sua ação deixou de ser negociada na Bolsa. 

Então quer dizer que a Coinbase terá um destino igualmente amargo?

Calma, não necessariamente. 

Aliás, o alarde em torno do IPO da Netscape não representa um erro dos investidores.

Sim, a Netscape se foi, a bolha das empresas “ponto com” estourou e diversas outras empresas do ramo faliram. Mesmo assim, entre as maiores companhias do mundo hoje estão gigantes tech como Google, Apple, Facebook e Amazon.

Ainda que de maneira pouco previsível, a esperança criada lá em 1995 no “momento Netscape” se cumpriu. A popularização da Internet abriu as portas para uma transformação permanente no mercado e no mundo.

O que a história da Netscape nos relembra é que uma nova indústria, um novo nicho de mercado, é menos previsível do que gostaríamos. E as transformações vêm rapidamente.

Para continuar aprendendo sobre tecnologia, criptos e mercado, sugerimos as seguintes leituras:

abra sua conta warren trade