Novo Mercado: entenda por que esse segmento da Bolsa é o melhor para os minoritários

O Novo Mercado é um dos principais segmentos de listagem da Bolsa de Valores, considerado o mais avançado em termos de governança corporativa.

Atualmente, a B3 utiliza essa e outras classificações para garantir maior transparência e conveniência para os investidores do mercado de ações.

Mas você sabe como funciona o Novo Mercado na prática, e quais são as empresas desse segmento?

Existe um conjunto de regras que uma empresa listada na Bolsa deve seguir para ser listada no Novo Mercado. 

Por isso, se você pretende investir em ações, é fundamental entender melhor o que significam os níveis de governança. 

Dessa forma, você pode tomar decisões assertivas e buscar empresas alinhadas com seus objetivos. 

Quer entender melhor? Criamos esse guia completo com tudo que você precisa saber sobre o Novo Mercado. 

Hoje, você vai aprender sobre: 

  • O que é Novo Mercado?
  • A governança corporativa explicada
  • Para que serve o novo mercado?
  • Exemplos de Empresas que estão listadas no Novo Mercado
  • Como funciona o Novo Mercado?
  • Quais são os outros segmentos de listagem na B3?

Boa leitura!

O que é Novo Mercado?

Entenda o que é o novo mercado, ilustração

Novo mercado é um dos segmentos de listagem na Bolsa de Valores brasileira. Ele foi criado em 2000, com sua primeira listagem ocorrendo em 2002. Até hoje, é considerado o segmento de listagem mais avançado em relação aos níveis de governança corporativa, abrigando companhias do patamar de Magazine Luiza (MGLU3), Lojas Renner (LREN3) e Fleury (FLRY3).

Hoje, o novo mercado é considerado referência para as empresas que buscam reconhecimento pela transparência na gestão

Isso porque, para estar listada nesse nível, as empresas devem adotar diversas medidas para garantir essa transparência, de forma voluntária. 

Além disso, empresas no Novo Mercado deixam de possuir ações preferenciais (PN) e ações ordinárias (ON) ao mesmo tempo.

Todas as ações são unificadas nos papéis ON. Na prática, isso garante que todos os acionistas da empresa tenham direito a voto. 

Além disso, fica assegurado que todos os acionistas minoritários tenham as mesmas ações dos controladores, o que alinha os interesses de todos os envolvidos.

Desde sua criação, as regras para listagem no Novo Mercado passaram por revisões em 2006, 2011 e 2018. A lista é o resultado do trabalho conjunto da B3, participantes do mercado e companhias listadas. 

LEIA TAMBÉM | Setores da Bolsa: conheça todos e analise as empresas para investir  

O que uma empresa precisa fazer para ser parte do Novo Mercado?

Veja, a seguir, algumas das principais diretrizes para que uma empresa possa fazer parte do novo mercado, segundo site da B3: 

  • O capital deve ser composto exclusivamente por ações ordinárias com direito a voto;
  • No caso de alienação do controle, todos os acionistas têm direito a vender suas ações pelo mesmo preço (tag along de 100%) atribuído às ações detidas pelo controlador;
  • Instalação de área de Auditoria Interna, função de Compliance e Comitê de Auditoria;
  • Em caso de saída da empresa do Novo Mercado, realização de oferta pública de aquisição de ações (OPA) por valor justo, sendo que, no mínimo, 1/3 dos titulares das ações em circulação devem aceitar a OPA ou concordar com a saída do segmento;
  • O conselho de administração deve contemplar, no mínimo, 2 ou 20% de conselheiros independentes, o que for maior, com mandato unificado de, no máximo, dois anos;
  • A empresa se compromete a manter, no mínimo, 25% das ações em circulação (free float), ou 15%, em caso de ADTV (average daily trading volume) superior a R$ 25 milhões;
  • Estruturação e divulgação de processo de avaliação do conselho de administração, de seus comitês e da diretoria;
  • Elaboração e divulgação de políticas de (i) remuneração; (ii) indicação de membros do conselho de administração, seus comitês de assessoramento e diretoria estatutária; (iii) gerenciamento de riscos; (iv) transação com partes relacionadas; e (v) negociação de valores mobiliários, com conteúdo mínimo (exceto para a política de remuneração);
  • Divulgação simultânea, em inglês e português, de fatos relevantes, informações sobre proventos e releases de resultados;
  • Divulgação mensal das negociações com valores mobiliários de emissão da empresa pelos e acionistas controladores.
descomplicou abrir conta

A governança corporativa explicada

Saiba tudo sobre governança corporativa, ilustração

Para entender melhor o que é o Novo Mercado e como ele funciona, é preciso aprender primeiro sobre a governança corporativa

Simplificando, trata-se de um conjunto de processos, regulamento, mecanismos e políticas. O objetivo é regular a administração de uma empresa. 

No caso da Bolsa de Valores, a governança corporativa ajuda a proteger acionistas em relação a problemas em potencial na gestão ou conselho das empresas listadas. 

Através dos níveis de classificação, é mais simples para o investidor encontrar empresas aliadas com seus objetivos e necessidades

A governança corporativa, então, serve para evitar problemas que podem afetar diretamente os rendimentos para o investidor. 

Por exemplo: 

  • Fraudes, como o uso de informação privilegiada pelos executivos para benefício próprio; 
  • Abuso de poder sobre os acionistas minoritários; 
  • Conflito de interesses; 
  • Erros estratégicos de gestão.

No Brasil, a governança corporativa começou a ganhar força na década de 90, com a fundação do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), cujo objetivo era melhorar a qualidade da gestão das companhias nacionais.

Hoje, muitas empresas oferecem maiores garantias aos seus acionistas e buscam a transparência na gestão. 

LEIA TAMBÉM | ESG: o que são e como funcionam os fundos ESG 

Para que serve o Novo Mercado?

Na Bolsa de Valores, os níveis de governança representam o comprometimento da empresa com as medidas para proteger os interesses do investidor

O Novo Mercado representa o mais alto dos níveis. 

Assim, as empresas que estão listadas nele são aquelas que mais se dedicam a garantir a transparência e defender os interesses do investidor minoritário.

Exemplos de empresas que estão listadas no Novo Mercado

Agora você já entende melhor o que é o Novo Mercado. Mas quais são as empresas que fazem parte desse segmento?

A seguir, você confere alguns exemplos: 

EmpresaTicker
ValeVALE3
Banco do BrasilBBAS3
Magazine LuizaMGLU3
SuzanoSUZB3
RennerLREN3
JBSJBSS3
SabespSBSP3
NaturaNTCO3
CVCCVCB3
ViaVarejoVVAR3
EcoRodoviasECOR3
brMallsBRML3
EmbraerEMBR3
EquatorialEQTL3
HeringHGTX3
C&ACEAB3
PetroRioPRIO3
VivaraVIVA3
Porto SeguroPSSA3

Lembrando que essa não é a listagem completa. 

Você pode conferir todas as empresas que fazem parte do Novo Mercado através do site da B3.

Como funciona o Novo Mercado?

Veja como funciona o novo mercado, ilustração

O Novo Mercado é uma classificação de empresas. Isso é, não é necessário fazer nada de diferente ao lançar ordens de compra e venda para negociar esses ativos. 

A adesão ao Novo Mercado é voluntária e exige em uma série de adequações para as empresas listadas no segmento.

Para o investidor, as vantagens de investir em empresas no Novo Mercado são, principalmente: 

  • Maior transparência e prestação de contas por parte da empresa;
  • Políticas como o tag along são obrigatórias; 
  • Mais proteção para acionista minoritários.

Gosta do mercado financeiro? Assine a Warren Pills e receba uma newsletter inovadora com conteúdo leve e informativo todas as semanas.

Quais são os outros segmentos de Listagem na B3?

O novo mercado é o nível de governança mais alto da Bolsa de Valores. No entanto, não é a única classificação praticada pela B3. 

A seguir, você conhece os outros níveis: 

Nível 1

O Nível 1 de Governança Corporativa é um nível bem menos exigente com as empresas. 

Para se adequar, o principal requisito é garantir que um mínimo de 25% de suas ações estejam em circulação. 

Além disso, é necessário apresentar informações adicionais sobre governança corporativa.

Nível 2

O Nível 2 de Governança Corporativa é um nível muito parecido com o Novo Mercado. Entretanto, aqui é permitido que as empresas emitam ativos preferenciais, que tenham poder de voto em situações decisivas ou críticas. 

O tag along nessa categoria também é menos exigente: cai para obrigatoriedade de oferta de 80% do preço pago pelas ações ordinárias dos acionistas majoritários.

Bovespa Mais

Essa categorização foi criada com o objetivo de incorporar as pequenas e médias empresas. Ele permite que esses negócios entrem no mercado de capitais de maneira gradual. 

Assim, para estar listada nesse nível, a empresa não precisa  realizar uma oferta pública inicial (IPO) de suas ações imediatamente. 

O prazo máximo para o IPO é de 7 anos, permitindo que a empresa realize as mudanças necessárias pouco a pouco. 

Empresas nesse segmento contam também com outros benefícios, como isenção de taxas da B3. 

LEIA TAMBÉM | Microcaps: como analisar e investir nas menores empresas da Bolsa

Bovespa Mais Nível 2

A principal diferença entre a Bovespa Mais e Bovespa Mais nível 2 se refere aos tipos de ações disponíveis. A primeira permite apenas a existência de ações ordinárias (ON). 

Já no nível 2, é possível que a empresa emita tanto ações Ordinárias quanto Preferenciais (PN).

Níveis de governança: comparação

Existem muitas características a considerar ao realizar a comparação entre todos os segmentos da B3. 

Assim, separamos algumas das características fundamentais a seguir. 

Caso você queira ver a comparação completa, pode acessar a tabela no site da B3

Para os tipos de ações oferecidas: 

Bovespa MaisBovespa Mais Nível 2Novo MercadoNível 2Nível 1
Somente ações ONAções ON e PNSomente ações ONAções ON e PN (com direitos adicionaisAções ON e PN (conforme legislação)

Quanto à transparência, para ações no Novo mercado: 

  • Reunião pública anual em até 5 dias úteis após a divulgação de resultados trimestrais ou das demonstrações financeiras, de apresentação pública sobre as informações divulgadas.
  • Divulgação adicional de informações segundo Regimentos do Conselho de Administração, de seus comitês de assessoramento e conselho Fiscal, quando instalado. Código de conduta (com conteúdo mínimo). Políticas de remuneração, indicação de membros do Conselho de Administração, gerenciamento de riscos, transação com partes relacionadas e negociação de valores mobiliários. 

Quanto à transparência, outros níveis: 


Bovespa MaisBovespa Mais Nível 2Nível 2Nível 1
Reunião pública anualFacultativaFacultativaObrigatória (presencial)Obrigatória (presencial)
Divulgação adicional de informaçõesPolítica de negociação de valores mobiliáriosPolítica de negociação de valores mobiliáriosPolítica de negociação de valores mobiliários e código de condutaPolítica de negociação de valores mobiliários e código de conduta

Tag along: 

Bovespa MaisBovespa Mais Nível 2Novo MercadoNível 2Nível 1
100% para ações ON100% para ações ON e PN100% para ações ON100% para ações ON e PN80% para ações ON (conforme legislação)

Conclusão sobre o Novo Mercado

O Novo Mercado é a classificação mais exigente para empresas listadas na Bolsa de Valores. 

Isso significa que as companhias que fazem parte desse nível são aquelas que, voluntariamente, seguem padrões mais altos no que diz respeito à transparência.

Além disso, também cuidam para que os direitos do pequeno investidor sejam defendidos. 

Para estar listada no Novo Mercado, uma empresa precisa se adequar a diversas regras. Nesse artigo, você conheceu as principais. 

Além disso, encontrou as referências que precisa para ficar por dentro do regulamento completo. 

Aprender sobre o mercado financeiro é extremamente importante para investidores. Quanto mais você sabe, mais fácil é fazer a escolha certa para seu dinheiro. 

Entender onde você está investindo também traz mais tranquilidade e possibilita a criação de estratégias melhores. 

Por isso, recomendamos que você continue lendo sobre o assunto! Veja aqui alguns outros artigos que podem interessar: 

abra sua conta warren trade