Descomplicando cripto-carteiras: entenda o que são, quais as opções disponíveis e como escolher  

Escolher entre uma carteira com ou sem custódia é uma decisão chave quando se trata de assegurar sua carteira de criptos. 

Além disso, também é preciso decidir entre uma carteira quente ou fria

Quer saber mais sobre os tipos de carteiras? Vou explicar para você a seguir, assim, você terá clareza sobre os prós e contras de cada um.

O que é e por que fazer uma carteira de criptos

Uma conta bancária dá acesso a investimentos, empréstimos, financiamentos, seguros, cartão de crédito e serve para receber e enviar dinheiro.

Uma carteira de criptos não é muito diferente: ela é um armazém seguro onde os usuários podem guardar seus ativos e fundos digitais. Também pode ser usada para enviar e receber criptomoedas, além de ajudar a ter controle total dos criptoativos. 

Uma carteira de criptos consiste em dois pares de chaves: chaves privadas e chaves públicas. 

A chave pública é o endereço usado para receber criptomoedas. Fazendo uma pequena alegoria, uma chave pública é como um endereço de e-mail: este endereço é necessário para enviar e-mails ao destinatário. 

A parte importante de uma carteira de criptos é a chave privada. Uma chave privada é como a chave de um cofre, ou, em linha com a alegoria, o login para usar o e-mail. 

Qualquer pessoa que tenha acesso à chave privada de uma carteira pode assumir o controle do saldo ali guardado.

Mas ao contrário de um cofre, os usuários que possuem suas próprias chaves privadas e fazem transações usando carteiras sem custódia se tornam seu próprio banco. 

De acordo com Joel Dietz, fundador da Art Wallet e desenvolvedor na MetaMask, a principal diferença entre uma carteira de criptos e uma conta bancária é que uma carteira de cripto é controlada por uma chave que só o usuário controla.

A chave privada pode ser utilizada para iniciar transações, que é chamada de “assinatura”.

LEIA MAIS | Fundos de criptomoedas: entenda como investir em cripto de forma simples 

Tipos de carteira

Com ou sem custódia

Com uma carteira sem custódia, o usuário tem o controle exclusivo de suas chaves privadas, que por sua vez, controlam suas criptomoedas.

Já com uma carteira de custódia, alguém controla as chaves privadas. Hoje em dia, a maioria das carteiras de custódia são exchanges, como por exemplo Binance e Coinbase.

LEIA MAIS | Por que as criptomoedas enfrentam alta volatilidade? Entenda

Quente ou fria

Se você comprar qualquer quantidade de criptomoedas e quiser armazená-la, você tem que escolher entre segurar sua criptomoeda em uma carteira quente, uma carteira fria, ou ambas.

Uma carteira quente está conectada à Internet e pode ser vulnerável a ataques online — o que pode levar a fundos roubados — mas é mais rápida e facilita o comércio ou o gasto de criptomoedas. 

Uma carteira fria normalmente não está conectada à Internet, portanto, embora possa ser mais segura, é menos conveniente. Confira, a seguir, os principais tipos de carteiras quentes e frias:

1. Carteiras quentes

As carteiras online operam na nuvem e podem ser acessadas de qualquer lugar usando qualquer dispositivo sem qualquer restrição.

Elas são muito convenientes de usar, pois as chaves privadas podem ser armazenadas online. Mas, às vezes, elas são vulneráveis aos ataques de hacking e chances de roubo, pois são controladas indiretamente por terceiros, como as exchanges Binance e Coinbase.

As carteiras de desktop podem ser baixadas e usadas em um PC ou laptop. Elas são acessíveis somente a partir do computador no qual foram instaladas originalmente. 

São, na maioria das vezes, seguras. Entretanto, são vulneráveis em caso de vírus ou hacking, que poderiam levar à perda dos fundos.

As carteiras mobile podem ser utilizadas através de um aplicativo em smartphones. Hoje em dia, elas normalmente têm extensões que permitem aos usuários utilizá-las via web. Coinbase Wallet e Metamask são algumas das carteiras mais conhecidas.

2. Carteiras frias

As carteiras de hardware são um pouco diferentes das carteiras desktop, mobile e online porque não armazenam as chaves privadas do usuário online, mas sim em um dispositivo de hardware, muitas vezes um USB. 

Elas têm medidas de segurança robustas e podem suportar diferentes criptomoedas, além de serem compatíveis com várias interfaces web. Algumas famosas carteiras de hardware são Trezor e Ledger.

Para carteiras de papel, um software gera automaticamente as chaves privadas e chaves públicas que podem então ser impressas. Os usuários podem facilmente transferir fundos de uma carteira para o endereço público de sua carteira de papel. 

Entretanto, se o usuário perder o papel contendo sua chave privada, não há como recuperá-la.

Por enquanto, não existe uma carteira perfeita. Cada tipo tem suas vantagens e desvantagens. Mas, já que agora já entendemos um pouco de cada tipo de carteira, eis que surge uma nova questão: qual devemos escolher?

LEIA MAIS | Prova de Trabalho e Prova de Participação: termos fundamentais para o universo das criptomoedas 

Qual carteira escolher

Bem, conforme visto anteriormente, existem trade-offs, isto é, um conflito de escolha e uma consequente relação de compromisso. 

Assim sendo, uma combinação de carteiras frias e quentes é geralmente ideal.

Uma carteira quente significa acessibilidade, já uma carteira fria significa tranquilidade e segurança. 

As carteiras quentes são normalmente gratuitas, então os investidores podem fazer uso tanto de carteiras criadas em exchanges quanto de carteiras nos aplicativos do celular. 

Carteiras frias, como Ledger e Trezor, ainda são muito caras no Brasil. Portanto, a carteira de papel pode substituí-la temporariamente.

A imagem acima mapeia os diferentes trade-offs que cada carteira oferece. 

Para máxima segurança, uma carteira de hardware é a melhor escolha. 

Entretanto, é muito cara e o hardware comprado deve ser novo: comprar um hardware usado é uma forma de roubo usada por golpistas para drenar seus fundos. 

Além disso, este tipo de carteira torna mais difícil a compra e venda ativa de criptomoedas, o que pode ser irritante para os day traders, por exemplo.

As pequenas corretoras tendem a pagar um prêmio maior para convencer os usuários a investir dentro de sua plataforma. 

A razão pela qual eles fazem isso é porque elas são mais vulneráveis aos hackers e geralmente têm menor liquidez de cripto ativos devido à falta de volume diário. 

Como mencionado anteriormente, a melhor opção é a diversificação das carteiras.

Você pretende investir por conta própria em cripto?

Lembre-se da importância de conhecer o seu perfil de investidor e ter uma reserva de emergência antes de começar.

Além disso, a Warren possui um fundo de investimentos em cripto que pode ser interessante para você. Conheça.

Até o próximo texto!


Recomendações de conteúdos baseadas no seu interesse: