Elon Musk e Twitter: os detalhes do negócio de US$ 44 bilhões que parou o mercado financeiro e as redes sociais  

Elon Musk, o homem mais rico do mundo, fundador da Tesla e SpaceX, decidiu comprar o Twitter em uma oferta no mínimo inusitada, para não dizer hostil.

A transação foi avaliada em US$ 44 bilhões, ou US$ 54,20 por ação, e repercutiu no mundo todo.

Nas redes sociais, você certamente viu a enorme polêmica, os questionamentos e os debates entre os participantes do mercado financeiro.

É por isso que, na coluna de hoje, vamos entender todos os detalhes desta transação. Além disso, vamos descobrir o que podemos esperar para a rede social e como o negócio pode impactar outros concorrentes, como Facebook, TikTok e Snapchat.

Os detalhes da transação entre Musk e o Twitter

O bilionário Elon Musk é notoriamente conhecido por comentar o que bem entende no seu perfil pessoal do Twitter, que conta com mais de 85 milhões de seguidores.

Por diversas vezes, seus tweets acabaram influenciando direta ou indiretamente o preço de negociação de ações de empresas listadas em Bolsa e de ativos digitais como NFTs e criptomoedas.

No primeiro episódio da ofensiva de Elon Musk para adquirir o Twitter, que ocorreu no dia 04 de abril de 2022, a cotação dos papéis disparou 27%.

Na ocasião, o homem mais rico do mundo anunciou no seu perfil da rede social que havia adquirido 9% das ações do Twitter.

Gráfico, Gráfico de linhasDescrição gerada automaticamente


Depois desse episódio, começaram as especulações a respeito do possível ingresso de Elon Musk no conselho de administração da empresa.

A nomeação, no entanto, bloquearia as chances de uma oferta de aquisição da companhia por parte do bilionário. 

Com uma cadeira no conselho, ele não poderia deter mais do que 14,9% das ações do Twitter.

A “novela” continuou até o dia 11 de abril, quando Elon Musk anunciou que desistiu de compor o conselho de administração da empresa.

Naquele momento, já era esperada uma oferta de aquisição, até porque o bilionário havia afirmado em diversas ocasiões que gostaria de ter a sua própria rede social.

O penúltimo episódio da saga começou três dias depois da negativa ao conselho, quando Musk utilizou seu perfil pessoal para anunciar que pretendia comprar a totalidade das ações do Twitter.

Depois de muita polêmica, a transação foi confirmada pela empresa no dia 25 de abril, pelo valor de US$ 44 bilhões, ou US$ 54,20 por ação.

Na prática, o negócio vai transformar o Twitter, uma empresa listada em bolsa desde 2013, em uma companhia de capital fechado

Considerando que Elon Musk já possui cerca de 9% da empresa, o bilionário anunciou que pretende financiar a aquisição do percentual restante através de capital próprio (US$ 21 bilhões) e empréstimos (US$ 19 bilhões), que terão ações da Tesla e ativos do próprio Twitter como garantia.

Esse tipo de operação de compra alavancada pode soar estranho para os menos familiarizados, mas é bastante comum no mercado financeiro e possui uma nomenclatura específica: LBO – Leveraged Buyout.

A oferta de aquisição já foi aprovada pelo conselho de administração do Twitter e agora está sujeita ao voto dos acionistas.

Na esfera política, não são esperados obstáculos regulatórios.

VEJA MAIS | BDR: entenda o que são, quais as vantagens e como investir em ações estrangeiras 

O que podemos esperar para o Twitter e seus concorrentes?

O futuro da rede social ainda é bastante incerto, mas Elon Musk já anunciou três medidas prioritárias: 

  • Redução da moderação
  • Autenticação de usuários
  • Transparência do algoritmo

A primeira medida vai em linha com aquilo que o bilionário chama de “free speech. 

Musk sempre foi um crítico da moderação nas redes sociais e é bastante razoável supor que algumas políticas de segurança se tornem menos abrangentes, com menores restrições de posts, independentemente da natureza do conteúdo.

Por outro lado, a medida de autenticação de usuários busca combater os bots, contas automatizadas e perfis fakes, um problema grave do Twitter atualmente.

De acordo com tweets do próprio Elon Musk, ele vai tentar acabar com os robôs e spam da plataforma, ou morrerá tentando.

Por último, a terceira medida, caso implementada, seria uma verdadeira revolução e poderia afetar diretamente alguns concorrentes como Facebook, Snapchat e TikTok.

Atualmente, as propriedades dos algoritmos das plataformas de redes sociais não são disponibilizadas ao público.

Isso significa que um usuário do Instagram, por exemplo, não sabe exatamente o que fez uma publicação viralizar enquanto outra não teve nem um décimo das interações.

Claro que é possível identificar tendências, estudar o comportamento do público-alvo, usar a própria criatividade e atingir um determinado nível de engajamento nas redes sociais.

No entanto, os administradores da plataforma são os únicos que sabem como o algoritmo ordena os posts que aparecem na tela do aplicativo.

O usuário final não sabe ao certo qual botão ou que tipo de interação faz uma publicação aparecer mais para o seu público.

Se o Twitter decidir divulgar isso abertamente, é pouco provável que os outros players não tenham que fazer o mesmo, seja por pressão de organismos reguladores ou até mesmo por demanda dos usuários finais.

LEIA TAMBÉM | Como declarar BDRs no Imposto de Renda: passo a passo 

Conclusão

Ainda é relativamente cedo para afirmar que o Twitter será uma plataforma mais interessante, com mais contas ativas e maior engajamento, ou que a mudança no controle da empresa impacta negativamente os demais concorrentes. 

Entretanto, como usuário de redes sociais, vejo estas três medidas anunciadas por Elon Musk como positivas para o cliente final, caso implementadas.

Conhecer as regras do jogo sempre é fundamental.

Caso a plataforma efetivamente traga mais transparência, é possível que a própria rede crie limites bem definidos, independentemente da livre manifestação de opinião do usuário final.

Além disso, o algoritmo aberto permitiria uma melhor alocação de recursos por parte do usuário anunciante.

Esse tipo de mudança tem potencial disruptivo, uma vez que todas as plataformas dependem da receita de anúncios para financiar a operação.

De qualquer forma, precisamos esperar para ter um pouco mais de clareza em relação aos próximos movimentos de Musk e de seus novos rivais Facebook, Snapchat e TikTok.

Como sempre, estaremos atentos aos próximos movimentos de mercado e disponíveis para ajudar você a entender tudo aquilo que acaba impactando o mundo dos investimentos.

Inclusive, se você quiser se aprofundar mais e receber conteúdos diários em primeira mão sobre tudo que impacta os mercados financeiros, além de relatórios macroeconômicos, setoriais e de recomendações de empresas, não deixe de se cadastrar no nosso hub de conteúdos de análise.

Para finalizar, espero que tenha gostado do artigo, e aproveito para avisar que estou totalmente aberto para dúvidas e sugestões, que costumo responder no meu perfil pessoal do Instagram (@fredpnobre).


Se você gostou do artigo do Fred, talvez também se interesse por outros que ele publicou aqui na Warren Magazine:

Quer investir na Bolsa sem pagar taxa de corretagem? Abra sua conta na Warren e comece em minutos.