“Não desisto de transformar o mundo em um lugar melhor para todos”  

Confira como foi nosso papo com Marlova Noleto, Diretora e Representante da UNESCO no Brasil 

Na última quarta-feira, 29 de abril, Marlova Noleto, Diretora e Representante da UNESCO no Brasil, participou de uma Live com a nossa CPO, Kelly Gusmão. O tema principal do debate foi a evolução do protagonismo da mulher na sociedade e é um conteúdo que faz parte da iniciativa #WarrenEquals.

Marlova Noleto

LEIA MAIS | Tudo o que você precisa saber sobre Warren Equals

Conterrânea de Kelly, Marlova é natural de Uruguaiana, no interior do Rio Grande do Sul e, após contar sua trajetória profissional até chegar no cargo mais alto que uma mulher já assumiu na organização, trouxe muita paixão e inspiração ao falar das barreiras que ainda existem no caminho das mulheres.

“Eu estaria mentindo se dissesse que não tive dificuldades por ser mulher. O mundo profissional ainda é muito machista e aparecem muitos homens gritando e achando que sabem mais do que você”, contou.

Otimista, Marlova apontou que, mesmo sabendo das dificuldades que ainda existem para outras mulheres no mercado de trabalho, é maravilhoso que se fale cada vez mais sobre empoderamento feminino. 

“É ótimo falar que o lugar da mulher é onde ela quiser e isso ser, cada vez mais, uma verdade em diversos setores”, reforçou.

A evolução do protagonismo da mulher

O cenário, de acordo com a Diretora e Representante da UNESCO no Brasil, já vem se transformando há algum tempo e deve continuar. Marlova chamou a atenção para reportagem feita pela BBC há algumas semanas, apontando que países liderados por mulheres têm se destacado no combate à pandemia do coronavírus.

“Alemanha, Islândia, Nova Zelândia, Noruega e outros países governados por mulheres têm se saído melhor no controle da pandemia. E isso é interessante. Talvez tenha a ver com a sensibilidade, atenção aos detalhes, saber ouvir melhor, que são características muito importantes para liderança”,ponderou.

Deixou claro, no entanto, que sabe que não se pode generalizar em relação à características de gênero, mas que é uma percepção e um dado relevante importante de ser ponderado. Marlove vê que existe muita oportunidade, atualmente, para a busca pela equidade de gênero. Pontuou diversas iniciativas que já existem e inspirou ao afirmar, como conselho para todos que assistiam à transmissão, que não se deve nunca desistir dos sonhos. 

“Quando queremos muito alguma coisa e lutamos por isso, o Universo conspira ao nosso favor. Tenham confiança e acreditem no seu valor, no seu potencial”.

Marlova sabe que obstáculos existiram, existem e vão continuar existindo. Contou que na sua trajetória profissional foi questionada em mais de uma oportunidade, tanto por ser mulher quanto por ter assumido cargos de gestão ainda muito jovem.

“Sinto que soube me impor. E quanto a isso devo muito à criação da minha mãe e da minha vó, que me ensinaram a não me contentar com ‘nãos’. Olho para trás e vejo que fui ousada em situações de machismo”.

Por fim, deixou claro que sempre é possível se engajar em causas sociais e reforçou que este debate e esse esforço precisa ser constante. Pois igualdade, equidade e diversidade são palavras que precisam ser mantidas vivas.

“Não desisto nunca de querer transformar o mundo em um lugar melhor para todos”, finalizou.

Confira todo o bate-papo: