O que é blockchain  

Blockchain é uma tecnologia que permite a transferência de dados digitais com uma criptografia muito sofisticada e de forma totalmente segura. 

Ele seria como o livro de lançamentos contábeis de uma empresa, no qual são registradas todas as entradas e saídas de dinheiro. Porém, nesse caso, trata-se de um livro digital.

O blockchain surgiu embalado pela revolução do Bitcoin: ele é justamente a tecnologia de codificação da informação que está por trás da moeda virtual e que sustenta toda a sua estrutura. 

Quais tipos de blockchains existem?

Atualmente, existem três tipos de blockchain: público, privado e híbrido. 

As redes públicas (permissionless) são aquelas sobre as quais o Bitcoin funciona. Nelas, podem entrar as pessoas que quiserem. 

As redes privadas (permissioned) têm utilizações específicas e só podem receber participantes autorizados pelos proprietários. Um exemplo seriam blockchains criados por um banco ou empresa.

Os blockchain híbridos seriam uma mistura das duas redes, com uma parte de dados aberta aos membros, mas operando por permissão.

Como funciona o blockchain na prática?

Um blockchain pode ser definido como um banco de dados seguro de uma forma quase impossível de ser falsificada. É como um e-book público que pode ser compartilhado abertamente entre usuários distintos e que cria um registro imutável de suas transações.

Cada registro digital é chamado de bloco, daí o nome blockchain. Cada bloco, por sua vez, está vinculado a um participante específico, que pode pertencer a um grupo aberto ou controlado de usuários.

O blockchain só pode ser atualizado por consenso entre os participantes do sistema e, quando novos dados são inseridos, eles não podem ser apagados. Existe um registro verdadeiro e verificável de cada uma das entradas feitas no sistema.

Assim, logo depois de sua criação se viu o potencial de aplicação que o sistema tinha em outras áreas além das transações financeiras, como a administração pública ou mesmo a “Internet das coisas”.

Na tecnologia blockchain, cada pessoa ou usuário é chamado de .

Assim, devem haver vários “nós” que possam verificar se as transações são válidas. 

Para uma transferência em dinheiro, por exemplo, o processo por meio do blockchain se daria da seguinte forma:

Uma pessoa “A” deseja enviar dinheiro para outra pessoa “B”. A transação é representada como um bloco que é enviado a todos os usuários, e aqueles que estão na rede aprovam esta transação.

Quando a transação é aprovada, o bloco passa a fazer parte da cadeia. O fato de ele ficar registrado é o que torna o sistema transparente.

A partir desse momento, o dinheiro não será mais de “A”, mas sim de “B”. Mas ainda não está definitivamente registrado nessa base de dados.

Para que o processo seja registrado de forma permanente, é necessário verificar se a pessoa “A” que deseja realizar a transação possui dinheiro, protegendo, é claro, sua identidade da pessoa e o valor transferido.

Gostou da leitura? Continue aprendendo sobre os termos do mercado financeiro aqui no Mercado de A a Z: