Como se organizar para trabalhar de qualquer lugar do mundo  

Esse texto está sendo entregue três dias depois do combinado e a razão foi uma só: falta de organização!

Não adianta, gente. A vida nômade, para funcionar, precisa andar de mãozinhas dadas com a organização!

Quando falamos de um trabalho formal, falamos de um lugar específico, com horário para sair e para entrar. Falamos também de um chefe que, provavelmente, vai estar ali de olho no seu trabalho, controlando tudo o que você faz.

Mas quando falamos de vida nômade, estamos falando de não ter um lugar fixo para trabalhar e, muitas vezes, de você ser o seu próprio chefe. Não tem ninguém para te controlar. Parece um sonho, mas pode se tornar um pesadelo caso você não consiga se organizar. 

Por isso, separei alguns pontos que considero essenciais para fazer meu trabalho direitinho, seja de onde for. Confere aí!

Autoconhecimento: do que você precisa para trabalhar bem?

Não consigo falar de organização sem também falar de autoconhecimento.

Eu e você somos pessoas diferentes, que funcionam de formas diferentes. Tem gente que precisa de um lugar silencioso, tem gente que só consegue trabalhar bem se tiver uma mesa apropriada e por aí vai.

Depois de alguns anos trabalhando remotamente de vários países e fusos horários distintos, eu já entendi o que eu preciso fazer para conseguir ser produtiva.

Eu não tenho muito problema com barulho. Muitas vezes, prefiro trabalhar de um café do que da sala da minha casa. Mas o que pra mim é essencial: eu preciso estar me sentindo em casa para conseguir ser produtiva.

Isso significa que eu preciso ter o meu cantinho, que eu preciso que minhas coisas estejam em um guarda roupa, que eu esteja me sentindo bem no espaço onde eu estou, etc.

Nas últimas semanas eu estive em movimento intenso, não tinha uma casa minha e minhas roupas ficaram o tempo todo bagunçadas na mochila. E toda essa bagunça externa afetou o meu trabalho. 

Então, o primeiro ponto é entender como você funciona, e o que você precisa para conseguir ser produtivo e se concentrar.

Eu dei aqui o exemplo de como eu funciono e o que eu preciso. Tanto que, quando eu sinto que estou precisando focar mais no trabalho, meu primeiro movimento é achar uma casinha que seja minha cara e me instalar.

Do que você precisa para se sentir produtivo?

LEIA TAMBÉM | Willy Barros: Um guia para quem vai à Chapada Diamantina

Jogo de cintura: para ser nômade, você precisa ser flexível

Além de se conhecer bem, para conseguir trabalhar de qualquer lugar, você precisa ser flexível.

Imagina: meu público e meus clientes estão todos no Brasil, então quando eu estou em países com fusos horários diferentes, eu preciso ser flexível e me adaptar, mesmo que isso talvez signifique fazer live às seis da manhã. Não dá para ser uma pessoa muito engessada.

Quando você tem um trabalho remoto, tudo o que você precisa é de um computador, uma agenda, um fone de ouvido bacana e uma internet boa. 

Então esses são pontos que eu sempre levo em consideração. O lugar onde eu vou tem uma boa recepção de internet? Vou conseguir trabalhar legal sem problema de conexão?

Sempre que alugo um apartamento no Airbnb, eu leio os reviews. Se tem alguma mensagem reclamando da internet, eu já me atento para isso. Já deixei de visitar lugares incríveis porque fui informada de que a internet não funcionava de jeito nenhum. Trabalhar é minha prioridade, então não ter conexão não é uma opção.

Ainda sobre conexão, a primeira coisa que eu faço quando chego em um novo país é comprar um chip de internet local e contratar um plano de internet ilimitada. Assim, no pior dos cenários, se o wi-fi não funcionar, eu posso rotear do meu celular. Fiz isso demais em Moçambique e na Tailândia também.

Organização: seja no papel, seja no app, sem ela não dá!

Olha ela aí de novo, a organização. Em especial para profissionais autônomos, que trabalham em diferentes projetos ao mesmo tempo, ser uma pessoa organizada faz toda a diferença.

E não importa como você se organiza, mas sim se o modelo funciona para você.

Eu, por exemplo, primeiro organizo tudo em uma agenda física. Sou o tipo de pessoa que precisa escrever no papel primeiro.

Depois (e principalmente para trabalhar com outras pessoas), gosto muito de utilizar aplicativos como o Trello e o ClickUp.

O Trello é o meu queridinho. Simples, intuitivo, você consegue criar tarefas, colocar datas, acrescentar pessoas. Eu super recomendo para quem trabalha sozinho ou tem uma equipe pequena.

Já o ClickUp é mais completo e um pouquinho mais complexo. Tem mais funções e você consegue conectar ao seu calendário. Gosto de usá-lo quando estou em projetos maiores, com mais pessoas.

LEIA MAIS | Conheça 5 ferramentas de gestão de projetos para otimizar o seu negócio

Nomadismo não é turismo

Outro ponto importantíssimo é o tempo de permanência nos lugares.

Nomadismo não é turismo e, se você tentar viver a vida nômade como você vive sua vida de turista, você não vai dar conta.

Turista está por conta de viajar. Sai de casa cedo, volta tarde. Quer (e precisa) aproveitar tudo porque tem um tempo limitado naquele lugar.

A beleza do nomadismo é justamente não ter tempo delimitado e poder fazer as coisas com calma. Eu gosto de turistar, mas eu gosto de conhecer pessoas locais, gosto de criar uma rotina, gosto de ver Netflix, gosto de tirar minha soneca da tarde… E eu só consigo fazer tudo isso porque eu tenho tempo.

O mínimo que eu gosto de ficar nos lugares é um mês, e conheço nômades que ficam três, cinco. O ponto é: quando você não tem pressa, consegue aproveitar o local, criar uma rotina e, óbvio, trabalhar. 

Então, resumindo, para trabalhar de qualquer lugar do mundo, você precisa:

  • Entender o que te deixa produtivo e improdutivo;
  • Organizar o seu ambiente externo;
  • Ser flexível;
  • Se assegurar de que você tem uma internet boa;
  • Se organizar para que todos seus compromissos sejam fáceis de visualizar, , seja com aplicativos ou com uma agenda de papel; e
  • Ficar mais tempo nos lugares, para que você consiga aproveitar e trabalhar ao mesmo tempo. 

Trabalhar enquanto se viaja não é tão simples quanto parece, mas é possível.

Vai exigir muita organização, flexibilidade e, muitas vezes, saber dizer não. Mas é incrível, e saber que você não precisa ir todos os dias para o mesmo lugar faz todos esses ajustes valerem a pena!

Leia outros artigos de Sophia Costa:

Os posicionamentos e análises neste artigo são responsabilidade do colunista e não refletem necessariamente a opinião da Warren.