Ring the Bell: B3 toca o sino pela equidade de gênero  

O dia de ontem foi especial para mim e para todas as mulheres do mercado de investimentos.

Eu e a Danielle Engrazia, líder de Pessoas e Cultura da Warren, fomos à sede da B3, em São Paulo, para participar do Ring the Bell pela equidade de gênero no mercado financeiro.

O sino de abertura é uma tradição, esse ritual demarca o início das operações na bolsa todos os dias. Já no evento de ontem, o “Ring the Bell”, a B3 e mais de 100 bolsas do mundo todo tocaram o sino em prol da equidade de gênero. Essa ação acontece todos os anos, no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

A B3 participa desse movimento desde 2017, e foi a primeira vez que eu prestigiei o evento ao vivo. Havia um número bem representativo de mulheres de outras corretoras. Todas com brilho nos olhos, emocionadas. Assim como eu!

Eu e Dani Engrazzia no Ring the Bell da B3.

É um sinal de que o mercado financeiro está evoluindo — no Brasil e no mundo — e entendendo que nós, mulheres, temos um papel importante para o setor, como investidoras e também profissionais.  

Lutar por esses espaços cabe às mulheres, mas quem ganha é a sociedade inteira. Por isso, precisamos que todas as pessoas estejam ao nosso lado, nos apoiando e dando oportunidades — inclusive os homens.

Neste sentido, foi importante ver o posicionamento do CEO da B3, Gilson Filkelsztain, ao reforçar o compromisso e a responsabilidade da instituição em estimular a diversidade no mercado.

Isso se conquista com um plano de execução e ferramentas práticas. Vou compartilhar algumas das iniciativas apresentadas que achei muito relevantes.

LEIA MAIS | As experiências que me fizeram criar uma empresa melhor para todas as mulheres

Programa de Mentoria para Mulheres Líderes

Lançado em 2021, tem como objetivo preparar mulheres para ocuparem vagas no Conselho de Administração da B3.

No ano passado, mais de 700 mulheres demonstraram interesse, o que reforça a importância da iniciativa.

O programa utiliza uma metodologia específica de mentoria, oferecendo acompanhamento às mulheres selecionadas durante 12 meses, para que ampliem sua navegabilidade e seu networking. Vai ter mais uma edição em 2022!

Bootcamp de diversidade e inclusão

Reuniu 60 clientes da B3, entre bancos, corretoras, fundos e assets, em 2021.

Ajudou os participantes no desenho e execução de estratégias focadas na atração e desenvolvimento de grupos sub representados no mercado financeiro.

Be Together

Lançado em 2019, reúne mulheres do mercado financeiro para discutir boas práticas que promovem a presença feminina no setor.

Índice que mede a diversidade no mercado financeiro

O objetivo do índice é aumentar em até 35% a representatividade de mulheres em cargos de liderança até 2024.

Outro momento bem marcante foi o painel Os instrumentos que alavancam a equidade de gênero, que reuniu três lideranças femininas no palco, com mediação da jornalista Luciana Barreto.

São elas: Ana Buchaim, diretora executiva de pessoas, Marketing, Comunicação e Sustentabilidade da B3; Adriana Muratore, coordenadora do programa Diversidade no Conselho; e Ana Carolina Querino, representante adjunta da ONU Mulheres no Brasil.

Que potência tem essas mulheres e todas as iniciativas que elas estão promovendo para a equidade de gênero no mercado financeiro!

Se falou muito em interseccionalidade, um tema latente sobre o qual tenho pensado bastante. Dentro do grupo de mulheres, há grupos mais e outros menos privilegiados.

Mulheres brancas têm mais acesso a oportunidades do que mulheres negras e trans, por exemplo. Nosso olhar precisa estar atento para que a evolução seja conjunta.

O trabalho delas promoveu bastante reflexão e me fizeram voltar para casa pensando nas iniciativas que já temos aqui na Warren e como ainda podemos evoluir.

O que você achou da leitura? Temos algumas recomendações para você: