Stablecoins: muito além de Luna, tudo que você precisa saber  

Stablecoin é um tipo muito específico de criptomoeda: trata-se de um ativo digital com um valor fixo e definido.

Nas últimas semanas, as stablecoins ganharam destaque no noticiário, mas, como você provavelmente notou, as razões não foram muito positivas.

A queda da LUNA e da UST, duas criptomoedas bem conhecidas e criadas pela mesma empresa, Terraform Labs, foi tão intensa e impiedosa que ela conseguiu esmagar toda a confiança que os investidores tinham em qualquer tipo de stablecoin. 

Mas não há motivos para maiores preocupações. LUNA e UST eram um tipo específico de criptomoedas e não devem ser classificadas como “a mesma coisa” que Bitcoin, Ethereum e a maioria das altcoins. 

Quando abordamos um universo tão vasto e complexo como o das criptomoedas, é normal se sentir um pouco perdido. 

É por isso que, neste artigo, eu vou explicar tudo que você precisa saber sobre as stablecoins.

Montei um guia completo sobre o tema, passando por todos os tópicos que o investidor precisa conhecer.

Vamos falar sobre as diferentes definições, as vantagens e desvantagens das stablecoins e, ao fim da leitura, você vai entender exatamente o que aconteceu com a Terraform Labs.

Vamos juntos? Boa leitura!

Qual a diferença entre criptomoedas, altcoins e stablecoins?

Qual a diferença entre criptomoedas, altcoins e stablecoins, ilustração

Uma criptomoeda é uma moeda digital que é assegurada por criptografia

Muitas delas são redes descentralizadas baseadas na tecnologia do blockchain — um livro contábil aplicado por uma rede de computadores dispersa.

Dentro do universo das criptomoedas, há a palavra altcoin, que possui duas definições: trata-se de qualquer criptomoeda que não seja Bitcoin, ou de qualquer criptomoeda que não seja Bitcoin nem Ethereum. 

Independentemente da definição, ambos os significados se referem a todas as outras criptomoedas no mercado que não são “as clássicas”. 

Investidores mais rigorosos só consideram Bitcoin, enquanto que alguns já reconhecem a posição do Ethereum fora das altcoins.

Mas o que é uma stablecoin?

O que é uma stablecoin?

O que é uma stablecoin, ilustração

Stablecoin é um tipo muito específico de altcoin: é uma criptomoeda com um valor fixo e definido. Embora não seja tão útil para investir na valorização de um preço de ativo, o preço fixo de uma stablecoin a torna útil para transações e outros investimentos não tão arriscados, como staking. 

Tipos de stablecoins

Tipos de stablecoins, ilustração

Existem quatro tipos primários de stablecoins, identificáveis por sua estrutura colateral: fiat-backed (lastro em moeda fiduciária), crypto-backed (lastro em criptomoedas), commodity-backed (lastro em commodities) e algorítmico (sistema algorítmico). 

Vale lembrar que esses tipos de stablecoins não são excludentes

É possível ter uma mistura de garantias, tais como criptomoedas e dólar, e ao mesmo tempo usar um sistema algorítmico para manter a moeda estável.

Vamos falar um pouco sobre as principais formas de colaterização:

Fiat-backed

Fiat-backed são as stablecoins que são colaterizadas por uma reserva de moedas ou ativos fiduciários (dólar, por exemplo). 

Esse tipo compõe a maior fatia do mercado de valor das stablecoins — mais de 80% do valor de mercado. 

As garantias permanecem em reserva com um emissor central ou instituição financeira, e devem permanecer proporcionais ao número de moedas de stablecoins em circulação. 

Tether e USD Coin são exemplos desse tipo de moeda. 

Essa garantia funciona da seguinte forma: se um emissor de USD Coin tem 100 milhões de dólares americanos, ele só pode distribuir 100 milhões de tokens da stablecoin, sendo que cada token vale exatamente um dólar

Mas, na prática, algumas empresas acabam emitindo mais stablecoins do que deveriam. 

Além disso, a fiat-backed stablecoin quase nunca terá um preço fixo no mercado de criptomoedas. 

O preço dela varia de acordo com a oferta e demanda do ativo, e oscila. 

A volatilidade dessas moedas, porém, costuma ser muito baixa.

Crypto-backed

Crypto-backed são stablecoins que são colaterizadas por outra criptomoeda. 

Ao contrário das stablecoins colaterizadas por uma reserva de moedas fiduciárias, o lastro em criptomoeda faz uso de smart contracts e não depende de um emissor central. 

Ao adquirir este tipo de moeda, o investidor tranca sua criptomoeda num smart contract e em troca recebe tokens da stablecoin de valor representativo equivalente. 

É possível colocá-la  de volta no mesmo smart contract para retirar o valor original da garantia. 

A criptomoeda DAI é a mais proeminente stablecoin que faz uso desse mecanismo. 

Normalmente, esse tipo de stablecoin possui uma sobrecolaterização para amortecer as flutuações de preços. 

Por exemplo, se alguém quiser comprar DAI no valor de US$ 1.000, é necessário um depósito de US$ 1.500 de Ethereum — 150% de colaterização. 

Se o preço de mercado do ETH cai, mas permanece acima de um limite estabelecido, o excesso de garantias protege o preço do DAI para manter a estabilidade. 

Entretanto, se ele cai abaixo de um limite estabelecido, parte do Ethereum é liquidado pelo smart contract para quitar a dívida.

Commodity-backed

Commodity-backed são as stablecoins com lastro em commodities. Elas são garantidas utilizando ativos físicos, como metais preciosos, petróleo e bens imóveis. 

Tether Gold possui colaterização em ouro e é a stablecoin com lastro em commodity mais conhecida.

Algorithmic

Stablecoins algorítmicas não utilizam ativos fiduciários ou criptomoedas como garantia. 

Em vez disso, a estabilidade de preços resulta do uso de algoritmos especializados e smart contracts que administram o estoque de tokens em circulação. 

Por exemplo, vamos supor que o algoritmo esteja de olho no dólar americano. 

Se o preço da stablecoin vale mais de 1 dólar, novas stablecoins entrarão em circulação para ajustar o valor dela para baixo. 

Se o preço dela vale menos de 1 dólar, o algoritmo reduzirá o número de tokens em circulação para que o preço da stablecoin suba e se mantenha com o mesmo valor que o dólar.

No gráfico a seguir, é possível ver a dominância das stablecoins com lastro em moedas fiduciárias sobre outros tipos. 

Lastro em commodity é muito escasso e esse tipo de moeda representa menos de 1% das top 15 stablecoins.

Source: Coingecko / Warren Análise

LEIA TAMBÉM | Como investir em criptomoedas: 4 alternativas para você analisar 

Vantagens e desvantagens das stablecoins

A vantagem mais evidente da tecnologia das stablecoins é a sua utilidade como meio de troca, que cria uma ponte entre o mercado tradicional (moedas fiduciárias) e a criptomoedas. 

Ao minimizar a volatilidade dos preços, elas alcançam uma utilidade totalmente separada das outras criptomoedas.

Por exemplo, o staking de stablecoins é muito atraente: como essas moedas foram projetadas para manter um valor estável, os investidores podem gerar uma renda passiva através do staking, mantendo um risco mínimo. 

Staking é o processo de travamento de criptomoedas por um certo tempo, a fim de obter recompensas ou ganhar juros.

Cada tipo de stablecoin tem suas vantagens e desvantagens, como veremos a seguir:

Vantagens da Fiat-backed

  • Mais fácil de entender, já que é “essencialmente” uma moeda digital
  • Baixa volatilidade por estar vinculada a uma moeda fiduciária
  • Menor vulnerabilidade aos hacks, já que a garantia não é mantida online (smart contract) e sim offline (emissor central)
  • Proteção contra a inflação ao escolher um lastro mais forte, como o euro ou o dólar americano

Desvantagens da Fiat-backed

  • Os investidores desse tipo de moeda não participam dos ganhos do setor (preço estável)
  • Falta de transparência. Tether, por exemplo, se recusa a dizer onde estão suas garantias
  • Necessidade de um custodiante de confiança para armazenar os ativos fiduciários
  • Para alguns, a centralização é um problema
  • Nenhuma inovação sobre o que os bancos atualmente oferecem. Esse tipo de moeda precisa de um serviço adicional, como o staking e o yield farming, para agregar valor

Vantagens da Crypto-backed

  • Descentralizada e, portanto, resistente à censura
  • Moeda transparente, adicionando clareza e possibilidade de auditoria
  • Pode ser usado para criar alavancagem

Desvantagens da Crypto-backed

  • Menos estável que o fiat-backed
  • A sobrecolaterização pode ser um problema para alguns investidores
  • A volatilidade no colateral que sustenta a stablecoin pode ser capaz de desestabilizá-la (muitas vezes mitigada pelo excesso de colateralização)

Vantagens da Commodity-backed

  • “Bens físicos” em forma de criptomoeda
  • Ganhar renda passiva em cima do “ouro” em forma de criptomoeda

Desvantagens da Commodity-backed

  • Representa uma fatia muito pequena do mercado
  • Falta de transparência (onde estão as commodities?)

Vantagens da Algorithmic

  • Transparente
  • O algoritmo pode ser utilizado em conjunto com outros métodos. Dai, por exemplo, tem lastro em criptomoeda e utiliza um algoritmo para manter a estabilidade

Desvantagens da Algorithmic

  • O sistema pode ser transparente, mas isso não significa que as pessoas entendam como ele funciona (alta complexidade)
  • Não é necessária nenhuma garantia
  • Má reputação devido à Luna
  • Nenhuma fórmula padrão para o algoritmo. As empresas podem fazer o que quiserem e dizer que estão usando um algoritmo complexo e poderoso
  • Vulnerabilidade durante os mercados de ursos e quedas bruscas: se a pressão de venda for mantida por um longo período de tempo, o preço cairá abaixo do que o sistema pode absorver, provocando o fim da estabilidade

Como força para a estabilidade do mercado, as stablecoins apresentam um veículo primário para a adoção das criptomoedas nos mercados de empréstimos e crédito.

É importante notar que governos centralizados, como os Estados Unidos e a União Européia, também estão interessados nas stablecoins para que possam controlar e regular o ambiente das criptomoedas.

VEJA TAMBÉM | Por que as criptomoedas enfrentam alta volatilidade? Entenda 

Principais stablecoins do mercado

Principais stablecoins do mercado, ilustração

As 10 principais stablecoins, de acordo com os tipos de colaterização, são:

Tipos de colaterizaçãoStablecoins
Fiat-backedTether, USD Coin, Binance USD, True USD, Pax Dollar e USDD
Crypto-backedDai, Frax, Neutrino USD
Commodity-backedTether Gold
AlgorithmicDai, Frax, Neutrino USD, USDD

Confira mais detalhes na tabela a seguir:

Source: Coingecko / Warren Análise

Como vemos, Tether é a maior stablecoin do mundo (valor de mercado) e representa mais de um terço do valor de mercado. 

No entanto, esta dominância costumava ser maior. 

Depois do que aconteceu com Luna e UST, os investidores começaram a pesquisar mais sobre os diferentes tipos de stablecoins. 

E como resultado, a USD Coin e a Binance Coin, centralizadas e com lastro no dólar americano, ganharam tração e tomaram grande parte do domínio do Tether — quase metade.

Source: Coingecko / Warren Análise

VEJA MAIS | Conheça o Warren Cripto, o fundo de criptomoedas da Warren 

O que aconteceu com a Luna e implicações para o futuro das stablecoins

A ruptura da criptomoeda Luna, de 510 para 0,0006 reais, vem de sua ligação com o TerraUSD (UST), a stablecoin algorítmica do ecossistema Terra. 

O algoritmo da Terra utilizava a queima ou cunhagem de LUNA/UST para manter o preço da UST estável (paridade 1:1 com o dólar americano).

Quando um UST era cunhado, $1 de Luna era queimado. Quando um UST era queimado (vendido), $1 de Luna era adicionado ao ecossistema. 

Seguindo essa lógica, foi isso que aconteceu: uma grande quantidade de UST foi vendida e queimada, adicionando mais Luna no ecossistema. 

Essa venda repentina causou pânico entre os investidores, que por sua vez venderam mais UST.

Como a queima de UST indicava mais Luna em circulação, o número de Luna em circulação aumentou drasticamente. 

A demanda, por outro lado, caiu devido ao medo dos investidores. Anteriormente, o volume em circulação era de cerca de 345 milhões de Luna. 

Em 12 de maio, ele aumentou para 3,47 bilhões Luna. A consequência foi a queda no preço da Luna. 

LEIA TAMBÉM | NFT: o que é, onde comprar e como criar? Tudo que você precisa saber 

Afinal, em qual stablecoin podemos confiar?

Afinal, em qual stablecoin podemos confiar, ilustração

Antes de mais nada, conheça seu perfil de investidor

As stablecoins são muito úteis porque permitem que os investidores escolham sua estratégia com base em suas preferências de risco. 

E antes de investir em stablecoins, pense nas seguintes perguntas: que tipo de retorno eu quero? 

E qual tipo de stablecoin se encaixa nas minhas preferências de risco? 

Lembre-se que a variação de preço de uma stablecoin depende da sua colaterização

Moedas fiduciárias são menos voláteis do que commodities e criptomoedas.

Dentro das moedas fiduciárias, o dólar americano é geralmente menos volátil do que outras moedas. 

Portanto, stablecoins com lastro em dólar americano terão menos variação em seus preços.

Não é possível se proteger do risco por completo, mas é possível escolher o tipo e a quantidade de colaterização. 

Quanto maior a colaterização, melhor. Por outro lado, minimizar o risco também significa diminuir o retorno e a recompensa da stablecoin.

A moeda da Terraform Labs era descentralizada e não possuía colaterização total, mas era atraente devido às suas recompensas por staking. 

Entretanto, a estabilidade das stablecoins depende de sua colaterização, que por sua vez precisa da garantia de um emissor central. 

Assim, stablecoins que têm reserva com um emissor central tendem a ser mais confiáveis.

Conhecida como a stablecoin full-reserved, cada token da USD Coin é 100% lastreado por dinheiro em espécie e tesouros estadunidenses de curto prazo. 

Dessa forma, é sempre resgatável por dólar americano (1:1). 

Além disso, as reservas de USD Coin são mantidas sob custódia e administração das principais instituições financeiras dos EUA, incluindo BlackRock e BNY Mellon. 

A única desvantagem é que ela tem menos retorno de staking quando comparada ao Tether.

Espero que você tenha gostado do artigo sobre stablecoins, porque eu busquei responder, de forma didática, o máximo de dúvidas sobre o tema. 

Recentemente, fizemos uma live no canal da Warren Analisa, em que detalhamos ainda mais o assunto. Você pode assistir abaixo: 

Saiba, também, que estou totalmente aberto a dúvidas e sugestões. Qualquer dúvida, pode me chamar no Instagram ou LinkedIn

E se você quiser aprender um pouco mais sobre o mundo das criptomoedas e dos NFTs, toda segunda-feira tem um boletim semanal. 

Faça seu cadastro gratuito e receba esse e outros relatórios todas as semanas.

Se você gostou deste artigo, talvez também se interesse por: