BDR: entenda o que são, quais as vantagens e como investir em ações estrangeiras

BDR (Brazilian Depositary Receipts) é um tipo de ativo negociado na Bolsa de Valores que dá acesso às ações estrangeiras, como as gigantes americanas Apple, Google e Amazon, ampliando as opções de diversificação dos investidores brasileiros.

Você já pensou em investir nas maiores empresas do mundo e ainda estar exposto ao dólar? Até pouco tempo, essa era uma opção apenas dos investidores qualificados, com mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Mas esse cenário mudou. Recentemente, a CVM alterou as regras de negociação dos BDRs na Bolsa de Valores, abrindo espaço para que qualquer investidor tenha acesso a esses produtos, por qualquer valor de investimento inicial.

Na Warren, por exemplo, você pode investir em BDRs com corretagem zero, exatamente da mesma forma que investe em ações, ETFs e FIIs.

Com a praticidade da aba Trade, basta buscar pelo código do ativo e emitir a ordem de compra para se posicionar nas maiores empresas do planeta.

Mas você sabe como os BDRs funcionam na prática, e quais são as vantagens e desvantagens desse produto? 

Entender esses detalhes é fundamental para que você possa identificar se esse investimento está de acordo com o seu perfil de investidor e com os seus objetivos na renda variável.

Neste artigo, montamos um guia completo para você tirar todas as suas dúvidas sobre os BDRs. Juntos, passaremos pelos seguintes tópicos:

  • O que são BDRs
  • Como funcionam os BDRs
  • Tipos de BDRs
  • Exemplos de BDRs
  • Quem pode investir em BDR
  • Vantagens dos BDRs
  • Desvantagens dos BDRs
  • Vale a pena investir em BDRs?

Vamos lá?

O que são BDRs?

Afinal, o que são BDRs, ilustração

BDRs — Brazilian Depositary Receipts são ativos emitidos no Brasil, mas com lastro em ações do exterior. Em tradução livre, BDR significa Certificado de Valores Mobiliários. Na prática, essa é uma das maneiras mais simples de investir em grandes empresas americanas, sem precisar abrir conta em uma corretora estrangeira ou enviar dinheiro para fora do país.

Como qualquer ativo da Bolsa de Valores, essa opção tem suas vantagens e desvantagens, como veremos a seguir. A recomendação é a mesma de sempre: você colocar na balança e identificar o que vale mais para a sua estratégia.

Vamos entender como funciona esse investimento?

Baixe o relatório das 20 maiores empresas do mundo

descomplicou abrir conta

Como funcionam os BDRs?

É importante entender que, quando você investe em BDR, não compra ações de uma empresa americana e não se torna sócio dela. Você adquire títulos de representação, ou seja, você tem um recibo lastreado nesses ativos, e a rentabilidade vai acompanhar a evolução do ativo original.

Os BDRs são negociados na Bolsa de Valores e emitidos por instituições brasileiras, chamadas de instituição depositária, ou custodiantes, que são os bancos.

Tudo começa quando a instituição depositária compra ações de empresas no exterior. Após isso, essas instituições mantêm esses ativos guardados em sua conta.

Depois, a instituição depositária registra os BDRs na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), para que possa emitir os recibos aos investidores.  

Além disso, elas precisam manter o controle para que a quantidade de ações que detêm não ultrapasse a quantidade de BDRs emitidas.

Toda a negociação é feita em reais e o dinheiro dos investidores permanece no Brasil. O valor do ativo, no entanto, é cotado em dólares. Assim, você não se expõe apenas à rentabilidade daquela ação estrangeira, mas também à variação cambial no período.

Isso significa que você pode ganhar ou perder duas vezes, dependendo da variação do dólar frente ao real.

Imagine, por exemplo, que você tenha comprado BDRs da Apple e o ativo tenha se valorizado +1% nas bolsas americanas. Se o dólar se desvalorizou 1% no mesmo, dia, a variação do seu investimento será 0% neste dia, porque uma coisa anulou a outra.

Vale reforçar: ao investir em BDRs, você fica exposto não apenas ao ativo estrangeiro, mas também ao dólar. Por isso, é fundamental definir com antecedência a sua estratégia — qual percentual da sua carteira você deseja expor ao dólar, por meio de ações estrangeiras?

Responder essa pergunta é crucial, para que a sua estratégia seja consistente no longo prazo.

No segundo semestre de 2020, havia uma média de 550 BDRs negociadas na B3, incluindo Netflix, Amazon e Apple.

Tipos de BDRs

Saiba quais são os tipos de BDRs, ilustração

Os BDRs são classificados conforme o seu tipo de negociação, distribuição, divulgação e patrocínio, ou não, das empresas estrangeiras.

De modo geral, há duas classificações de BDRs: os patrocinados e não-patrocinados

Dentro da categoria de Patrocinados, temos o nível I, II e III. A principal diferença, aqui, é o capital alocado. Na prática, essas mudanças não causam um impacto direto na decisão do investidor comum, mas, mesmo assim, é importante entender do que se trata cada um deles para que você entenda onde está investindo.

BDR Patrocinado

Os BDRs Patrocinados são aqueles que têm uma espécie de anuência da empresa estrangeira para esse tipo de operação. Por exemplo: quando uma empresa americana solicita a uma instituição depositária que os seus ativos sejam negociados aqui.

Para que isso aconteça, a empresa estrangeira emissora contrata uma instituição depositária brasileira, para que fique encarregada de negociar os seus papéis no Brasil.

Essas instituições depositárias podem emitir ou cancelar os BDRs Patrocinados, de acordo com a demanda dos investidores locais, onde o ativo é negociado originalmente.

BDR nível I

Os BDRs nível 1 podem ser negociados em segmentos da Bolsa específicos para esse papel e em balcões não organizados. Eles não precisam de registro da empresa junto à CVM, porém, a instituição depositária precisa seguir uma série de requisitos da CVM para emitir esse tipo de ativo.

Quando negociados em oferta pública de esforços restritos, são limitados a 50 investidores, mas é um processo menos burocrático. O código final do ativo, neste caso, é YY.

BDR nível II e III

Nos BDRs Patrocinados de nível 2 e 3, a empresa emissora, ou seja, a companhia estrangeira, também precisa ter registro na CVM, e não somente a instituição depositária, como é no nível 1.

Esse registro é obrigatório porque elas precisam seguir as mesmas regras de governança e de transparência que as empresas brasileiras. 

Essa é uma forma de manter o investidor atualizado sobre tudo o que se diz respeito à empresa, como a gestão, legislação e qualquer tipo de alteração.

A diferença entre BDR de nível 2 e de nível 3 é que, no nível 2, os ativos somente podem ser negociados por meio de oferta pública com esforços restritos, assim como no nível 1. 

Já no nível 3, as negociações não têm essa restrição e podem ocorrer simultaneamente no Brasil e no exterior.

Os BDRs Patrocinados de nível 2 possuem o código 32 ao final, e os BDRs de nível 3 possuem o código 33.

Vale lembrar que os BDRs Patrocinados são o exemplo menos comum de BDRs no Brasil. A maior parte fica por conta dos BDRs não-patrocinados, que veremos a seguir.

BDR não-patrocinado

Os BDRs não patrocinados são aqueles em que a decisão da emissão não parte da empresa estrangeira, mas sim da instituição depositária. Ou seja, não há pedido ou acordo entre a empresa estrangeira e a custodiante — podendo até mesmo ser negociado por mais de uma instituição depositária. 

Na B3, a maior parte dos BDRs negociados são do tipo não-patrocinado. 

Mesmo que não tenha sido solicitado pela empresa estrangeira, a emissão do BDR obriga as instituições depositárias a seguir todas as regras da CVM para emitir esses recibos.

Por isso, a instituição é quem fica responsável por divulgar todas as informações referentes à empresa estrangeira, como balanços financeiros e valor de mercado.

Quando os custodiantes fazem a emissão desses papéis, têm o objetivo de aumentar a sua gama de produtos, ou seja, de oferecer mais opções de investimentos aos clientes. Além disso, os BDRs não patrocinados sempre são de nível 1. O código, neste caso, é 34 ou 35.

Exemplos e códigos dos BDRs

Para investir em BDR, você precisa selecionar o código de negociação da empresa, assim como na compra de ações normais.

Esse código é sempre formado por quatro letras que identificam a empresa, seguida de dois números indicando se BDR é patrocinado ou não.

Separamos um resumo com uma relação dos códigos

  • BDRs patrocinados de nível 1: não tem número de terminação fixa
  • BDRs patrocinados de nível 2: código termina em 32
  • BDRs patrocinados de nível 3: código termina em 33
  • BDRs não-patrocinados: código termina em 34 ou 35.

Para que possa consultar sempre que precisar, confira uma lista com alguns dos principais BDRs negociados na B3 e os seus respectivos códigos de negociação.

EmpresaCódigo de negociação
AmazonAMZ034
AppleAAPL34
GoogleGOOG34
FacebookFBOK34
DisneyDISB34
NikeNIKE34
Johnson & JohnsonJNJB34
MasterCardMSCD34
VisaVISA34
TeslaTSLA34
NetflixNFLX34

Tanto o código quanto as informações sobre a empresa estrangeira podem ser verificados no site da B3..

Quem pode investir em BDRs?

Até pouco tempo, somente os investidores qualificados podiam comprar BDRs — são os investidores com pelo menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras, ou que assinam o termo de investidor qualificado.

Porém, em agosto de 2020, a Comissão de Valores Mobiliários alterou a legislação e liberou a compra de BDRs para todos os tipos de investidores. A regra começa a valer a partir do dia 22 de outubro de 2020.

O que muda com a atualização da CVM?

As atualizações da CVM foram feitas na Resolução CVM 3, que altera as instruções CVM 332, 359, 480 e 555.

Com as alterações, os investidores não qualificados podem investir em BDRs. 

Além disso, passam a ser permitidos os BDRS lastreados em ações emitidas por emissores estrangeiros, mas com receitas no Brasil, ou com títulos de dívidas.

Anteriormente a essa alteração, somente as empresas com sede e ativos estrangeiros poderiam ter BDRs negociados. 

Também passa a ser permitida a emissão de BDRs lastreados em cotas de ETF (fundos de índice) para negociação no exterior.

Outra mudança importante foi a redução do lote mínimo dos BDRs. Antigamente, o lote mínimo era de dez unidades de BDR. Agora, o lote mínimo passa a ser 1 BDR. Na prática, não há mais lote, porque você consegue comprar uma unidade de qualquer BDR.

Mas quando vale a pena de fato investir nesses produtos. A seguir, selecionamos as vantagens e desvantagens dos BDRs.

Vantagens dos BDRs

Entenda as vantagens dos BDRs, ilustração

A diversificação de investimentos e a possibilidade de ter rentabilidade atrelada às maiores empresas do mundo são as principais vantagens de investir em BDRs.

Além de contar com a facilidade de operação, você tem chances de potencializar os seus lucros, principalmente se você pensa a longo prazo

Vamos conferir os principais pontos atrativos dos BDRs?

Acesso às melhores empresas do mundo

Como você pode perceber na nossa tabela, há empresas de renome mundial nas quais você pode investir por meio de BDRs. 

O Brasil tem excelentes empresas para se investir, muitas delas já são grandes e consolidadas. Porém, os BDRs abrem portas para que você se beneficie dos resultados de empresas com relevância mundial, como Disney, Nike, Toyota e Tesla, para ficar com apenas alguns exemplos.

Diversificação

Os BDRs são utilizados como mecanismo de diversificação da carteira com bons potenciais de retorno. Como você pode conferir na nossa tabela, há muitas empresas americanas com BDRs nos quais você pode investir.

Além de serem mais um ativo na sua carteira, eles permitem uma exposição a uma empresa em outra geografia, que pertence a outra economia e é negociada em outra moeda. Tudo isso permite mais diversificação do seu patrimônio.

Porém, o indicado é que, antes de investir em BDRs, você se familiarize com as ações brasileiras, afinal, por mais que você não compre ações por meio de BDRs, a relação de risco e retorno é semelhante.

Facilidade para investir

Você não precisa fazer quase nada de diferente para começar a investir em BDRs. Você não precisa nem mesmo ter conta no exterior.

Se a sua corretora disponibiliza BDRs, como a Warren, basta você utilizar o seu home broker normalmente. Também não é necessário fazer operações de câmbio, já que toda a negociação é feita em reais. 

O processo é bastante semelhante à compra de ações. Se você já está acostumado a fazer esse tipo de investimento, certamente não terá nenhuma dificuldade ao comprar BDRs. Na Warren, a maneira mais simples de negociar BDRs é por meio da aba trade, o mesmo local onde você compra ações, FIIs e ETFs.

Quer começar a investir em BDRs? Abra sua conta na Warren.

Declaração comum do Imposto de Renda

Assim como os demais investimentos, os seus rendimentos de BDRs estão sujeitos à tributação do IR. Porém, o processo é o mesmo de outros investimentos. 

Isso significa que o processo para declarar o BDR no Imposto de Renda segue a mesma tabela progressiva. Via de regra, a tributação do IR sobre o ganho das operações é de 15%.

Essa é uma vantagem, já que os impostos para quem investe lá fora são diferentes. Também há algumas situações em que as corretoras já retêm o imposto direto na fonte.

Não há imposto sobre herança

Quem aplica dinheiro diretamente na bolsa americana sabe que investimentos superiores a US$ 60 mil estão sujeitos ao imposto sobre herança, que pode chegar a 40% do patrimônio.

No caso dos BDRs, como o dinheiro fica no Brasil e toda a negociação é feita em reais, não há essa incidência tão alta.

Desvantagens dos BDRs

Já que os BDRs têm tantos benefícios, por que não são tão populares como as ações? Apesar das vantagens, investir em empresas do exterior por meio da Bolsa Brasileira tem lá os seus pontos negativos, quando comparamos com o procedimento diretamente em corretoras estrangeiras.

As desvantagens dos BDRs estão relacionadas a algumas limitações desse ativo e por não ser tão acessível quanto outros investimentos de renda variável.

Entenda mais sobre o assunto.

Liquidez

A principal desvantagem de investir em BDR é a baixa liquidez. Para recapitular, liquidez é a facilidade que você tem em transformar um investimento em dinheiro.

Por não serem tão populares no mercado financeiro até pouco tempo e por terem preços relativamente elevados, os BDRs eram menos negociados do que a maioria das ações brasileiras, o que diminuía a liquidez.

Para objetivos de longo prazo isso não é um grande problema. Porém, se você precisar do dinheiro em curto prazo, esse é um empecilho.

Com a mudança recente, no entanto, a tendência é de que a liquidez desses ativos aumente. Além disso, a B3 garante que já tem marcadores de mercado contratados, que vão garantir a liquidez aos produtos.

Limitações na comparação com o exterior

Ao investir em BDR, você não está aplicando diretamente no mercado estrangeiro. Além disso, as opções de BDRs na B3 ainda são poucas quando comparadas às ações brasileiras, por exemplo. Para se ter uma ideia, há pouco mais de 600 BDRs aqui no Brasil, enquanto, apenas nos Estados Unidos, há mais de 5 mil empresas listadas.

No médio prazo, porém, o número de BDRs deve aumentar no Brasil, com a procura dos investidores crescendo.

Ainda há o fato de que você não se torna sócio na prática dessas grandes empresas, porque possui um ativo lastreado na ação original, e não a ação original propriamente dita.

Retenção de dividendos

Os dividendos dos BDRs estão sujeitos à retenção tanto no Brasil quanto no exterior. Além disso, as instituições depositárias costumam ficar com cerca de 5% dos dividendos, como taxa de Spread. Esse é um custo acima do que você teria se investisse diretamente no exterior.

Menor isenção de impostos

Os investimentos em ações na Bolsa brasileira podem ter isenção de imposto. Isso acontece quando a negociação está dentro do limite de R$ 20 mil. No exterior, o limite é de R$ 35 mil.

No BDR, não há essa possibilidade de isenção. Sobre os ganhos de capital, você precisará pagar 15%.

Não há possibilidade de operar fracionado

As ações fracionadas são uma maneira de garantir mais acessibilidade ao mercado acionário, já que o pequeno investidor compra ações que não poderia em lotes padrões.

No caso dos BDRS, não há papéis fracionados. Inicialmente, o lote padrão mínimo para negociação de BDR era de 100 recibos.

Para facilitar um pouco a vida do investidor, em fevereiro de 2020 a B3 reduziu o lote padrão de 100 para 10 BDRs. A intenção da Bolsa é justamente ampliar esse produto para mais investidores.

Agora, o lote mínimo é de um BDR, o que já facilita a vida de muitos investidores. Mas, ainda assim, não existe, no Brasil, a opção do mercado fracionado, em que você compra menos de uma ação, como existe nos Estados Unidos.

Assim, o investimento mínimo em uma ação da Amazon, por exemplo, é de quase R$ 10 mil, o que pode sair caro para o pequeno investidor. 

Vale a pena investir em BDRs?

Para saber se investir em BDR vale a pena ou não, você precisa considerar os seus objetivos e perfil de tolerância aos riscos.

Esse é um investimento com muitos riscos atrelados, assim como as ações. Portanto, é mais recomendado aos investidores arrojados.

Os BDRs oscilam tanto pela cotação das ações do exterior quanto pelas oscilações cambiais. 

Portanto, você precisa fazer uma ponderação, para entender se esse investimento é vantajoso e se faz sentido para a sua carteira.

Um dica para investir em BDR, se você não tem muita experiência no assunto, são os fundos de investimentos que têm esses certificados de representação, assim você conta gestão profissional. 

Na Warren, trabalhamos com fundos com ações estrangeiras, que contam com a curadoria do nosso time de especialistas. Além disso, estamos lançando mais dois fundos: Warren Games e Warren Tech, que vão investir em empresas da indústria de games e em empresas do setor de tecnologia.

Quer conhecer mais? Acesse a pré-lista dos fundos Warren Games e Warren Tech.

Para saber se os BDRs valem a pena, deixamos, também um vídeo publicado recentemente no nosso canal no Youtube:

Como investir em ações estrangeiras pela Warren

Investir em BDRs pela Warren é muito simples. Basta abrir a sua conta, transferir dinheiro e acessar a Aba Trade, por meio da qual você já compra ativos como ações, FIIs e ETFs.

Você faz isso sem pagar taxa de corretagem, porque, assim como não cobramos taxa de corretagem para negociar ações, FIIs e ETFs, também não cobramos corretagem em BDRs ou qualquer outro ativo.

Observe, por exemplo, um print da aba Trade para o BDR da Apple (AAPL34), com o mercado fechado: 

Aqui, o investimento segue a mesma lógica dos outros ativos de renda variável: com o mercado aberto, basta digitar o código, selecionar o número de ativos e emitir a ordem de compra. Simples assim.

Se você não se sente pronto para investir em BDRs diretamente, pode escolher os nossos fundos de investimento com exposição a empresas estrangeiras, como o Warren Games e o Warren Tech, além do Warren USA e o Warren Green.

Quer dar os primeiros passos? Abra sua conta e comece a investir.

Se você gostou deste conteúdo, talvez também se interesse por: 

abra sua conta trade warren