Investimentos de baixo risco: opções melhores que a poupança

Investimentos de baixo risco são muito procurados, especialmente em períodos de crise econômica como a que estamos vivendo agora, que causa incertezas e deixa muitos investidores angustiados com a renda variável.

Outro motivo para a popularidade desse tipo de investimento é a queda do desempenho da caderneta de poupança. Com a Selic em 2%, os rendimentos desaparecem e o seu dinheiro acaba sendo desvalorizado, pois especialistas especulam, inclusive, que a poupança passará a render abaixo da inflação logo.  

Foi com isso em mente que criamos esse artigo. Nesse guia, você aprenderá um pouco mais sobre investimentos de baixo risco. Eles são uma ótima alternativa para quem quer sair da caderneta. Mais que isso, eles frequentemente apresentam rendimentos superiores e maior liquidez.

Hoje, vamos falar um pouco sobre: 

  • Investimentos de Baixo Risco: O que você Precisa Saber
  • Descubra a maneira mais fácil de investir nesses ativos com a Warren

Boa Leitura!

Investimentos de baixo risco: o que você precisa saber

Entenda melhor o que são investimentos de baixo risco, ilustração

No geral, os investimentos de renda fixa funcionam como um empréstimo. Você, o investidor, empresta seu capital para uma empresa, instituição ou até mesmo, para o Governo. No final do período acordado, você recebe o que aplicou, com o acréscimo de juros. 

O rendimento – ou taxa de juros – pode ser pré fixado, pós fixado ou híbrido. Veja o que isso significa: 

  • Juros pré fixados são uma taxa acordada no momento da compra dos ativos. Por exemplo, 6% ao ano. Esse valor não será alterado, e o investidor pode calcular quanto, exatamente, receberá no fim do período.
  • Os pós fixados, por sua vez, normalmente estão atrelados a um índice da economia. Por exemplo, um investimento com juros atrelados à Selic irão render de acordo com a taxa. Assim, o investidor pode ter uma ideia geral do quanto receberá, mas deve contar com a variação do índice em questão.
  • Os híbridos são uma mistura entre juros pré e pós fixados. Assim, a rentabilidade é calculada a partir de um índice acrescido de uma porcentagem fixa. Por exemplo, IPCA + 2% ao ano. 

Dessa forma, o investidor deve escolher ativos que se enquadram na sua estratégia e expectativa do mercado. Se a tendência é que a Selic continue caindo, por exemplo, um pós fixado atrelado a esse índice pode não ser uma boa ideia. 

O que esperar do rendimento de investimentos de baixo risco

Vale lembrar que, devido à estabilidade dos investimentos de baixo risco, você pode esperar um rendimento menos atrativo – principalmente se você comparar com a rentabilidade de ativos da renda variável. Não há grande potencial de ganhos, justamente para proteger o investidor do alto risco de prejuízos. 

Ainda, esses investimentos podem ser utilizados como estratégia de redução de risco. É o princípio da diversificação. O investidor aloca parte do seu patrimônio em investimentos de baixo risco. Assim, se houver prejuízo em algum ativo volátil, o rendimento praticamente garantido dos mais estáveis serve como cobertura. 

Ainda existem riscos nessas opções de investimento?

Todo investimento envolve algum tipo de risco — até mesmo a caderneta de poupança. Render abaixo da inflação significa que seu patrimônio está perdendo valor, mesmo que o capital bruto esteja crescendo. Então, é importante ficar atento para selecionar as melhores oportunidades. 

Outro fator que merece sua atenção é a liquidez. Isso é, o quão rápido você pode resgatar o capital aplicado se precisar do dinheiro. Principalmente, é fundamental verificar se você não perderá em rentabilidade ao solicitar a liquidação. 

Isso não acontece em investimentos de baixo risco que possuem liquidez D+0. Ou seja, você pode resgatar o dinheiro com rentabilidade referente ao período de aplicação a qualquer momento. 

Da mesma forma, existem alguns investimentos da renda fixa que não permitem resgate antes da data de vencimento. Por isso, é fundamental ler com atenção a documentação antes de investir.

Descubra a maneira mais fácil de investir nesses ativos com a Warren

Monte sua carteira com desempenho melhor que a poupança, ilustração

Mesmo com toda segurança da renda fixa, a melhor forma de garantir que você terá bons resultados é diversificando. Isso é, aplicando dinheiro em diferentes tipos de títulos, para prevenir-se contra eventuais quedas de rentabilidade.

Diversificar, no entanto, pode levar bastante tempo – e ficar caro. Com o aporte inicial de alguns ativos começando em R$ 10 mil, essa não é uma estratégia acessível para a maioria das pessoas. 

No entanto, aqui na Warren, você não tem esse problema. Através dos nossos fundos de investimento, você tem acesso aos melhores ativos da renda fixa. E o melhor? Você começa com o capital que tiver disponível. 

Clique aqui e abra sua conta gratuita na Warren. Leva apenas alguns minutos, e você pode começar a investir hoje mesmo.

Vamos ajudar você com recomendações personalizadas com base no seu perfil e objetivos. Lembrando que nossos produtos próprios contam com taxa zero!

Fundo Warren Renda Fixa Simples

Se você procura uma alternativa para proteger seu patrimônio da inflação e ainda lucrar com sua reserva, vai adorar esse fundo de investimentos. 

O Warren Renda Fixa Simples é nosso produto mais conservador, composto 100% com ativos de renda fixa. Assim, essa é uma ótima alternativa à poupança.

Fundo Warren Crédito Privado

Empresas precisam de recursos para implementar projetos e expandir seus negócios. Muitas delas encontram uma oportunidade perfeita para aumentar a arrecadação na emissão de títulos de dívida. 

Com o Fundo Warren Crédito Privado, você investe em títulos de renda fixa de empresas, como CDBs, LCIs, LCAs e debêntures, através de cotas de fundos de investimento. Ou seja, uma forma prática e barata de diversificar sua carteira com apenas um aporte. 

Por que escolher fundos de investimento de renda fixa?

Os fundos de investimento são geridos por uma equipe de especialistas no mercado financeiro. Assim, você não precisa ter o trabalho de escolher os melhores ativos e oportunidades mais lucrativas: esse é o papel do gestor. 

Além de muito mais prático, investir assim também sai mais barato. Isso porque o aporte inicial para cada ativo costuma a ser alto — começando em R$ 1 mil e indo até R$ 100 mil! 

Já, nos fundos de investimento, você compra cotas com seu aporte. Assim, consegue investir em diferentes ativos com muito menos. Na Warren, essa opção sai ainda mais em conta. 

A maioria dos fundos cobra taxas de administração e performance. Essa é a remuneração da equipe que faz a gestão dos ativos. Na Warren, no entanto, isso já está coberto por nossa taxa de gestão ativa (que, aliás, é 3 vezes mais baixa que a média do mercado). Assim, nos nossos produtos próprios, você não paga mais nada. É só investir e ver seu patrimônio crescer. 

Quer aprender mais sobre investimentos e entender quais são as melhores opções para você? Leia também esses outros artigos que preparamos no blog: