A jornada da Warren | Capítulo 6

Faça o que tem que ser feito, a vida é curta demais para você não ir atrás do que ama.

Você tem que fazer o que você ama, ponto. Pode até soar clichê, eu sei, mas de fato eu poderia encerrar aqui este capítulo. Não há maior verdade que essa.

Nascemos para fazer algo que faça sentido nas nossas vidas e, quando encontramos e fazemos isso, nos tornamos a nossa melhor versão. 

Fazer o que você ama será a solução para todos os problemas. O dinheiro, relacionamentos, felicidade. 

Não adianta você ser um advogado infeliz porque pensa que um padeiro, que seria sua verdadeira paixão, não ganha bem. Como advogado você provavelmente até ganharia dinheiro, mas não dedicaria seu coração à causa.

Como padeiro, seu coração e todo seu esforço estariam lá. Você faria o melhor pão do mundo e atenderia orgulhoso cada cliente. O dinheiro? Provavelmente com o tempo você poderia ganhar 10 vezes, 100 vezes ou 1000 vezes mais do que sendo um advogado infeliz.

Se você está em dúvida se está no lugar certo ou errado, a melhor forma de descobrir é assistindo ao Fantástico! 

Eu já escrevi sobre isso no capítulo 2. O programa das noites de domingo da Globo é a melhor forma de validar se você está fazendo o que ama. Quando começa aquela musiquinha da abertura no domingo a noite e você sente calafrios, é porque tem algo errado na sua vida profissional. Você sabe que o fim de semana está acabando e vem aí a tortura de fazer o que não ama na segunda-feira.

Eu não aguentava mais a empresa que eu trabalhava. 

Estava morando em NY e, talvez para me torturar, assistia ao Fantástico nos domingos pela Globo Internacional. Era meu momento de tristeza. Trabalhava em uma empresa que eu não acreditava e com pessoas que eu não gostava de estar perto. Mas eu tinha um bom salário, tinha ações e tinha um filho a caminho. 

O que fazer? Seguir infeliz, mas com estabilidade? Ou mandar todo mundo à m***** e ser feliz?

Eu acredito nas novas empresas. Nas empresas que têm como principal norte resolver um problema, entregando a melhor experiência e através de uma relação 100% transparente com os clientes

É claro que ter lucro é importante, afinal é com ele que a empresa vai crescer, empregar e gerar mais riqueza. Mas o lucro como meta principal é nocivo. Faz com que as decisões sejam de curto prazo, em prol apenas de ganhar mais bônus. Também faz com que o pior lado das pessoas apareça.

Por algum tempo eu sofri com isso. A disputa entre felicidade e estabilidade rondava a minha cabeça todo o dia. Além disso, eu já estava com o projeto da Warren andando em paralelo. Até que um dia caí fora. 

A história dos bastidores foi mais complexa do que isso. 

Viria para a empresa nos EUA uma pessoa que representava tudo o que eu não acreditava em termos de cultura, competência e até honestidade. Isso pra mim seria o ponto final. Eu não conseguiria ficar sob o mesmo teto e pedi demissão imediatamente. Infelizmente, depois de muita insistência, incluindo um fim de semana repleto de mensagens recebidas no WhatsApp, com promessas de que tudo seria diferente, fui convencido a ficar. 

Na hora, eu fui ingênuo e cedi. Sim. Somos feitos de escolhas e algumas delas são bem erradas. Para minha sorte esta mesma pessoa logo cometeria um de seus atos conectados a uma das suas três características principais que citei acima (estou tentando contar os bastidores, mas sem fazer isso de forma pesada e indelicada) e soltei as amarras.

Meu dia de liberdade! 

É incrível o efeito estranho que essa liberdade provoca. Eu queria ter tido a coragem de sair uns 3 anos antes e não tive, mas na hora que você de fato está livre a primeira sensação é de medo. 

“O que eu vou fazer sem ter a rotina de abrir a minha caixa de emails que estava sempre lotada pedindo minha atenção?”. Lembro fortemente de ter convivido com esse pensamento por uns 4 ou 5 dias. Talvez uma semana.   

Escrevi tudo isso pois sei que muitas vezes é difícil soltar essas amarras que nos prendem. É a tal estabilidade ou o julgamento dos outros. Mas tenho uma mensagem: se você não quer sofrer com a musiquinha do Fantástico, faça agora.

Se não quer ou não pode jogar tudo para cima agora, faça em etapas. Não tem tempo? Nosso dia tem 24 horas. Dormindo 6, sobram ainda 18. Trabalhando das 9 às 18, sobram ainda 9. Uma hora no trânsito e outra para ler um livro? OK, ainda sobram 7. Tem filhos? Duas horas para eles e ainda estão sobrando 5. Sem essa de não tem tempo. Com 5 horas por dia você pode começar seu império de padarias na cozinha da sua casa.

E caso precise de uma frase minha sobre como estou me sentindo agora, vários anos após a data do meu dia de liberdade, te digo com prazer, mas antecipadamente peço perdão pelo meu francês: estou feliz pra c*******! 

Bem… lá estava eu com o caminho livre para acelerar a Warren. Mais do que nunca o projeto que eu amava precisava dar certo. 

Uma empresa de investimentos como ela tem que ser: 

  • a) alinhada com os clientes. Sem ter que vender o produto do mês para gerar receita pra corretora. O foco é entregar o melhor para o cliente, SEMPRE. E com muita transparência, sem taxinhas e spreads escondidos.  
  • b) com experiência digital Incrível. Construir do zero uma empresa com DNA de tecnologia, focada em entregar a melhor experiência e, ao mesmo tempo, com a escala proporcionada pela tecnologia, os menores custos para os clientes.  

Reforço que, nos primeiros dias, o pânico tomou conta. Afinal, eu estava habituado a uma rotina de executivo e de repente eu não precisava mais acordar em ponto e me trajar com o uniforme característico de pinguim dos profissionais do mercado financeiro.

A desintoxicação assusta, mas passa e passa rápido. Logo eu já estava com o cérebro a mil por hora montando o roteiro da minha “dominação do mundo”.

No próximo capítulo, vou contar como surgiu o nome Warren, os primeiros passos e discussões das primeiras versões, a perda do prazo da primeira feira importante dos EUA e a seleção para a segunda.

Um abraço e até lá.

Quer ler a jornada completa? Acesse os outros capítulos da série.