Tipos de ordens no mercado de ações: tire suas dúvidas

Conhecer  tipos de ordens do mercado de ações é um dos primeiros passos para quem deseja aprender como investir na Bolsa de Valores.

Falando de forma simplificada, as ordens são instruções para a efetivação de uma compra ou venda de determinado ativo.

Esses ativos podem ser ações, fundos imobiliários, ETFs ou derivativos, como opções e contratos futuros.

Mas você sabe quais são todos os tipos de ordens à disposição dos investidores e como utilizá-las no dia a dia?

É o que vamos aprender neste artigo. Juntos, passaremos pelos seguintes tópicos:

  • O que é uma ordem;
  • Ordem de compra;
  • Ordem de venda;
  • Tipos de ordens mais comuns para longo prazo;
  • Como saber qual tipo de ordem é a certa para você.

Boa leitura!

O que é uma ordem

Entenda o que é uma ordem, ilustração

Uma ordem é o nome dado à instrução enviada pelo investidor para que seja executada a compra ou a venda de determinado ativo. 

Funciona assim: o investidor faz o envio da ordem para a corretora, geralmente por meio do home broker, para que a corretora repasse essa solicitação para a Bolsa de Valores

Simples assim. A seguir, vamos explicar o que são as ordens de compra e venda e como cada uma delas funciona na prática.

LEIA MAIS | Melhor plataforma de investimento: veja todas as dicas

Ordem de compra

A ordem de compra diz respeito ao processo de aquisição de determinado ativo. 

Ela é feita pelo cliente —  por intermédio da corretora de valores —, com as especificações que ele deseja.

Tudo é feito no home broker, com simplicidade e os devidos comandos para a instituição executar o pedido para a B3.

Ordem de venda

Já a ordem de venda é aquela usada para vender determinado ativo na Bolsa de Valores. O processo ocorre de maneira semelhante ao de compra: o investidor aciona a corretora, que executa a ação. O processo de envio dessas ordens ocorre em uma fração de segundos.

Tipos de ordens na Bolsa de Valores

Saiba quais são os tipos de ordens existentes no mercado, ilustração

Além de serem separadas por compra e venda, existem outras subdivisões para os tipos de ordens na Bolsa de Valores.

Conhecer esses diferentes tipos de ordens é fundamental para saber quais serão os seus próximos passos na Bolsa e como as negociações serão feitas. 

Nos tópicos a seguir, explicamos com detalhes cada um desses formatos.

Ordem a mercado

Ordem a mercado ocorre quando um investidor indica qual ativo deseja adquirir ou vender e em que quantidade, exatamente pelo preço que está disponível no mercado (ou seja, é a cotação atual do mercado). 

Dessa forma, a negociação acontece imediatamente — e, por isso, é considerado o processo mais rápido e simples.

Ao emitir uma ordem a mercado, seja ela de compra ou venda, o sistema vai identificar automaticamente o valor pelo qual o ativo está sendo negociado, e aquele será o valor da operação.

Ordem limitada

Na ordem limitada, o investidor determina qual é o limite aceitável de preço para a compra ou a venda de um ativo. 

Dessa forma, a corretora não pode executá-la caso o valor desejado não seja alcançado. No caso da compra, ela só pode ser efetivada se o preço for igual ou menor ao que é informado pelo investidor.

Ao optar pela ordem limitada, é importante calcular os custos da operação, que incluem a corretagem. Se for o caso, você pode compará-la com o que seria pago na ordem a mercado e avaliar qual é a melhor opção.

Se a diferença for significativa, vale a pena considerar a opção mais simples (ordem a mercado). Com isso, economiza-se o valor pago para as comissões.

Ordem casada

A ordem casada, por sua vez, só pode ser feita quando uma compra e venda acontecem de forma simultânea. Em geral, o investidor determina a sequência na qual essas operações serão executadas. 

Mas é importante reforçar que, independentemente de ser uma ordem de compra ou venda, outra ordem precisa acontecer logo em seguida para que a ordem casada seja executada.

A ordem casada é mais comum em situações em que o investidor faz trocas de posições com frequência e pode (ou não) ter algum limite de preço.

Ordem de stop loss

O stop loss se tornou um dos tipos de ordens mais comuns no mercado durante o período da crise de coronavírus, que fez o preço de muitas ações despencarem. Nela, o investidor indica um comando que visa proteger o capital de um prejuízo ainda maior.

O objetivo é colocar um preço mais baixo do que o valor pago como limite. Caso a ação chegue a esse valor estipulado, a ordem de stop loss indica para a corretora que é o momento de vender aquele ativo, encerrando a posição antes que a ação caia ainda mais.

Entretanto, se o valor da ação permanecer igual o limite ou retomar a subida, nada acontece e o investidor mantém sua posição. 

Em resumo, podemos dizer que o stop loss funciona como uma espécie de proteção.

Ordem de stop móvel

A ordem de stop móvel é utilizada para proteger os ganhos, em vez da perda, como acontece no stop loss. 

Os conceitos são semelhantes: se estabelece uma porcentagem que serve como base para interromper o investimento.

Então, se você adquire um ativo que passa por sucessivas valorizações, nada acontece e os lucros continuam sendo gerados. Porém, caso surja alguma queda, a ordem de stop móvel é executada e a corretora realiza a venda das ações.

O propósito é tentar evitar a perda de capital com uma possível desvalorização dos ativos em questão, garantindo os ganhos que você já teve na operação.

Ordem stop gain

No stop gain, você determina quais são as condições para que a corretora execute a ordem de venda do ativo. Caso eles sejam cumpridos e exista algum comprador disponível, a operação é concretizada.

Nesse caso, o preço é colocado acima da cotação que você pagou pela ação, como um alvo. Você seleciona por quanto pretende vender o ativo e já deixa a ordem encaminhada, seja com 10% de valorização ou qualquer outro percentual.

Ordem stop simultâneo

No home broker, a ordem de stop simultâneo é registrada como Stop S e se trata do stop loss e do stop gain juntos.

Nesse caso, você já determina qual é a estimativa de prejuízo e de lucro de uma só vez. 

Se o ativo chegar em um dos valores, a ordem é executada e a outra é imediatamente cancelada. Assim, você pode conseguir o lucro desejado ou evitar perdas de maneira automática. Enquanto a ação estiver dentro desse intervalo de preço, nada acontece.

Tipos de validade para as ordens

Veja a validade de cada tipo de ordem, ilustração

Muitas pessoas não sabem, mas as ordens têm validades. Elas variam com base no que o investidor estabelece como parâmetro. 

A seguir, explicamos melhor cada uma dessas validades:

Ordem válida para o dia

A execução das ordens é válida apenas para o mesmo dia que foi criada, como o nome dá a entender. Por isso, o prazo expira na data em questão e, a partir dali, ela perde o efeito.

Ordem válida até uma data específica

Para esse tipo de ordem, o investidor pode determinar um prazo para a execução da ordem, que pode ser de uma semana, uma quinzena, um mês ou qualquer outro intervalo que for mais conveniente.

Ordem válida até cancelar 

Neste caso, a ordem em questão permanece aberta até que o investidor cancele ou ela seja executada.

Tudo ou nada

Quando o investidor estabelece parâmetros como preço e quantia exatos para uma ordem, a execução só pode ocorrer quando ambos forem alcançados. 

Então, se você pretende comprar 10 ações de determinada empresa pelo valor de R$ 20, a negociação só é feita quando se chega a esses números.

Assim, se aparece uma oferta de 9 ações a R$ 20, a operação não é executada. Por isso o nome de “tudo ou nada”.

Execute ou cancele 

Nessa validade, a ordem contempla a quantidade disponível para a negociação

Após o envio da ordem, é avaliada a condição da contraparte e executada a quantidade que tiver disponível. O sistema pode não executar todos os ativos negociados e o saldo restante da operação será cancelado.

Exemplo, se o investidor quer comprar 1000 ações a R$10 e apareceu a contraparte a R$10, mas que não tem 1000 ações, apenas 400. A ordem é executada para 400 ações e o resto é cancelado.

Tipos de ordens são mais comuns no day trade

Quem faz day trade negocia os ativos dentro de um mesmo dia. Assim, os day traders sempre abrem e fecham suas posições no curtíssimo prazo. 

Devido a isso, os riscos assumidos nessas operações são bem mais altos e, por isso, além de ter um perfil de investidor bem arrojado, também precisam ter muito conhecimento sobre o mercado financeiro.

Devido ao fato de fazerem essas negociações rápidas, eles utilizam bastante as ordens com stop, principalmente o stop loss. 

Como o tempo é curto, fica praticamente impossível recuperar determinado prejuízo em algumas horas. Portanto, limitar as perdas é algo bem comum.

O mesmo vale para o stop gain. Assim que o ativo alcança o valor desejado e se encontra um comprador, a ordem de venda é executada. Stop móvel e simultâneos também são bem parceiros no dia a dia de um day trader.

Todas elas são uma forma de tentar minimizar os riscos e tirar o melhor proveito das compras e vendas dos ativos, otimizando os lucros que o day trade pode proporcionar.

Tipos de ordens mais comuns para longo prazo

Já no caso de quem prefere a estratégia de buy and hold, adquirindo ativos com objetivo para o longo prazo, o cenário é bem mais simples. 

Esse tipo de investidor costuma optar sempre pela ordem a mercado. Assim, podem fazer a compra e a venda com simplicidade e rapidez, já que as oscilações de curto prazo não interessam para ele.

Como saber qual tipo de ordem é a certa para você

Tudo depende da sua estratégia, já que são operações muito distintas e com recomendações diferentes, como você viu nos dois tópicos anteriores.

Na Warren, recomendamos sempre que você direcione seus investimentos para um cenário de longo prazo, porque acreditamos que essa é a melhor estratégia para quem deseja realizar sonhos e alcançar a liberdade financeira.

Por isso, as ordens a mercado são as mais comuns e indicadas para operar na Bolsa com foco no longo prazo.

Se você ainda não se sente preparado para investir diretamente na Bolsa de Valores, uma dica é optar por fundos de investimento, no qual os gestores fazem a alocação do portfólio por você. 

Na Warren, você tem acesso a uma diversificação completa dos seus investimentos, com opções de renda fixa e renda variável. Abra sua conta, descubra seu perfil de investidor e comece a investir!

Se você gostou deste conteúdo, talvez também se interesse por: