CDB é a sigla para Certificado de Depósito Bancário. Trata-se de um investimento de renda fixa e está entre os mais seguros do mercado.

Este tipo de investimento é emitido por bancos e utilizado por eles na captação de recursos para operações de crédito em geral.

O CDB não é como a poupança, que tem o mesmo rendimento independente do banco. Cada instituição financeira tem uma política diferente para captar e emprestar dinheiro.

Dessa maneira, a rentabilidade do CDB varia de acordo com a instituição.

Como funciona o CDB na prática?

O Certificado de Depósito Bancário tem uma lógica muito simples.

Assim como o investimento em uma caderneta de poupança por um período fixo, o investidor que aplica no CDB recebe uma taxa de juros fixa, que normalmente é mais alta do que as taxas oferecidas pela poupança. 

Quando o prazo de vencimento do CDB é cumprido, o investidor recebe de volta o dinheiro que depositou, mais a rentabilidade dos juros estabelecidos.

CDBs com diferentes prazos de vencimentos: desde CDBs com liquidez diária, para conseguir retirar o dinheiro quando quiser, até com anos de carência, para aquele investidor que busca expandir o patrimônio.

Geralmente, quanto mais tempo o dinheiro fica investido no banco, maior é a rentabilidade. Portanto, é preciso ter atenção ao prazo de carência exigido na hora de realizar os investimentos.

Caso o investidor precise acessar os fundos antes do prazo de vencimento do CDB, estará sujeito a uma multa pela retirada antecipada. Isso pode reduzir significativamente a rentabilidade dos juros acumulados no CDB. E existem também CDBs que só permitem o resgate após o vencimento.

Portanto, antes de investir em um CDB, é importante ter um fundo de reserva para o caso de emergências, para poder investir com tranquilidade e obter a rentabilidade desejada, mantendo o investimento até o prazo de vencimento.

Tipos de CDB disponíveis no mercado

Com relação à rentabilidade, existem três tipos diferentes de CDBs: os prefixados, os pós-fixados e os híbridos, ou “pré-com-pós”.

  • CDB prefixado: com este tipo de CDB, o investidor tem a possibilidade de saber, já no momento da compra, qual será o rendimento de seu investimento. O título já tem uma rentabilidade pré-estabelecida, independentemente da taxa Selic ou da inflação.
  • CDB pós-fixado: é o tipo mais comum de Certificados de Depósito Bancário. É uma aplicação que, em geral, tem a taxa de remuneração atrelada ao valor do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), uma taxa de juros com valor próximo à Selic.
  • CDB híbrido: como diz o nome, este tipo de Certificado de Depósito Bancário é uma mistura entre os dois exemplos anteriores. Sua rentabilidade é a soma de um fator prefixado mais um indicador financeiro (geralmente, utiliza-se o índice da inflação). Por exemplo, um CDB pode oferecer 3% + IPCA, o que significa que sua rentabilidade é de 3% mais a taxa de inflação para o período.

Em geral, o que se leva em conta na hora de escolher um investimento é, principalmente, o perfil do investidor e o seu objetivo. No caso dos CDBs não é diferente.

Assim, para pessoas mais conservadoras, que têm menos tolerância ao risco, é possível que um CDB prefixado seja uma opção mais interessante do que um pós-fixado, por exemplo. Afinal, com a primeira opção, o retorno obtido no vencimento será aquele acordado no início, independente do que aconteça.