Investimento em Renda Variável: o que é, como funciona e quais modelos

O investimento em renda variável oferece oportunidades de rendimentos mais atrativos. No entanto, é muito comum que novos investidores tenham dúvidas e receios dessa modalidade.

De fato, em fundos de renda variável, os riscos realmente são maiores, pois é impossível prever com exatidão como esses ativos irão se comportar.

Porém, não significa que investir na renda variável é uma aposta cega: existem análises e estratégias que visam reduzir os riscos. 

Entender como funcionam os fundos de renda variável é o primeiro passo para ingressar nesse formato de investimento.

É preciso conhecer quais os ativos disponíveis e como eles funcionam além, claro, de entender se esses investimentos se adequam ao seu perfil e objetivos.

Pensando nisso, criamos esse guia de investimento em renda variável para iniciantes.

Nesse post, você irá encontrar tudo que precisa saber antes de considerar aplicar nesse tipo de ativo. A seguir, você aprenderá mais sobre:

Boa Leitura!

Significado de renda variável

Veja o conceito da renda variável, ilustração

Um investimento em renda variável, como o nome sugere, é um tipo de ativo no qual não é possível saber com precisão qual será seu rendimento.

O lucro – ou prejuízo – do investidor é determinado pelas oscilações do preço de compra e venda dos ativos. Por esse motivo, investimentos de renda variável são consideradas aplicações de maior risco.

Existem muitos fatores que podem impactar nos investimentos de renda variável como, por exemplo, quais ativos, o próprio cenário econômico e político do Brasil e do mundo, índices da economia, entre outros. 

Como funcionam os investimentos de renda variável

Em sua maioria, os investimentos de renda variável são negociados na Bolsa de Valores. Os ativos mais conhecidos dessa categoria são as ações.

No entanto, existem inúmeros outros tipos de investimento em renda variável.

Cada modelo de papel na renda variável tem características particulares. No entanto, em geral, seu funcionamento é o mesmo. Veja:

  1. o investidor compra os ativos na Bolsa de Valores pelo preço estabelecido;
  2. o preço dos ativos irá oscilar para mais ou menos, influenciado por diferentes fatores;
  3. o investidor poderá receber os lucros dos ativos que possui (como parte do rendimento de empresas) ou com a venda dos papéis quando o preço estiver maior que no momento da compra. 

Em suma, é tudo muito simples.

No entanto, investir em renda variável exige um pouco mais de experiência e conhecimento por parte do investidor.

Afinal, determinar as melhores opções de investimento é muito mais difícil que em nos modelos de renda fixa. 

Mesmo com os investimentos em renda variável oferecendo mais opções para considerar, é preciso lembrar: o rendimento nessa modalidade não é garantido.

A tendência de uma ação pode ser de valorização no momento da compra e, mesmo assim, o preço do ativo pode cair. 

Tipos de investimento em renda variável

Veja quais são os investimentos da Renda Variável , ilustração

Como mencionamos, os ativos mais conhecidos da renda variável são as ações. No entanto, essa está longe de ser a única opção para investidores que desejam aplicar nessa modalidade.

A seguir, você irá conhecer alguns dos principais tipos de investimento em renda variável. Confira!

Fundos Multimercado

Fundos multimercado são compostos por ativos em renda variável de diversos setores. Parte do patrimônio desses fundos são aplicados em renda fixa, com o objetivo de reduzir os riscos. 

Esse modelo de fundo funciona como uma carteira recomendada; a diferença no multimercado é que o investidor não escolhe quais ativos serão comprados ou vendidos.

A função de compra e venda fica a cargo do gestor do fundo, que fará as operações visando a melhor performance possível. 

Ao investir em um fundo multimercado, é importante ler com atenção as regras, objetivos e histórico de performance do fundo.

Somente assim é possível garantir que os ativos que compõe o patrimônio estejam alinhados com seus objetivos financeiros. 

Fundos Imobiliários

Os fundo imobiliários são compostos de ativos do setor, e normalmente se dividem em duas categorias: 

  • fundos de tijolo: compostos de ativos referentes a imóveis físicos, como ações de shopping centers, edifícios empresariais, hotéis e galpões; 
  • fundos de papel: compostos de ativos referentes a aplicações financeiras no setor imobiliário, como LCI, LCA, CRI e CRA.

Também é possível encontrar fundos que mesclam esses dois ativos. São os chamados Fundos Imobiliários Híbridos. 

Uma das principais vantagens desse investimento de renda variável é o recebimento do aluguel.

Trata-se de um pagamento mensal para os investidores, o que torna essa uma opção bastante popular entre investidores que buscam viver de rendimentos.  

Ações

Sem dúvida, ações são o tipo de investimento de renda variável mais conhecido. São frações do capital de uma empresa, oferecidas na Bolsa de Valores, com o objetivo de gerar verba para a companhia em questão. 

Quando o investidor compra uma ação, se torna sócio da empresa e pode lucrar com a valorização dos papéis ou com o pagamento de dividendos (alguns tipos de ação também garantem o direito de voto em assembleia). 

Normalmente, as ações são negociadas em lotes de 100. No entanto, com o objetivo de oferecer oportunidades aos pequenos investidores, é possível também negociar lotes fracionados.

Os preços das ações têm a tendência de variar de acordo fatores como:

  • o crescimento da empresa em questão;
  • com a situação do mercado e do setor;
  • de acordo com oferta e demanda.

Commodities

Commodities são produtos que funcionam como matéria-prima, ou seja, aqueles produzidos em escala e que podem ser estocados, sem perda de qualidade e que passaram por poucos processos de industrialização.

Existem quatro tipos de commodities. Veja quais são eles e alguns exemplos de cada um: 

  • agrícolas: milho, café, soja, açúcar;
  • minerais: petróleo, ouro, gás natural, etanol;
  • ambientais: água, madeira, geração de energia;
  • financeiras: dólar, euro, títulos públicos.

É possível investir nessas mercadorias na Bolsa de Valores, através dos contratos futuros. Nesse caso, o investidor garante a compra com o preço atual, e poderá lucrar se o preço da mercadoria subir. 

Moedas

Ao investir em moedas, você compra uma moeda estrangeira, e aguarda sua valorização.

A oscilação está atrelada a inúmeros fatores diferentes, como inflação, balança comercial e fluxo de capital no país emissor.

Dessa forma, as variações costumam a ser constantes e significativas.

Existem diferentes formas de investir em moedas. Por exemplo: 

  • papel moeda: o investidor adquire o dinheiro em espécie. Isso não é recomendado, pois o dinheiro ficará “parado”, isso é, sem gerar rendimentos;
  • ações da Bolsa Americana;
  • fundos cambiais: a maior parte dos recursos são aplicados em moedas americanas ou européias;
  • fundos multimercado: podem ter parte de seus recursos alocados em moedas;
  • derivativos: um tipo de investimento onde a rentabilidade deriva do valor de outros ativos, como a moeda estrangeira. 

Fundo de Renda Fixa x Fundo de Renda Variável

A principal diferença entre investimento em renda variável e renda fixa está na previsibilidade dos ativos. 

Como já mencionamos, um fundo de investimentos funciona como uma carteira recomendada.

No entanto, quem escolhe os ativos que compõe o patrimônio é um gestor ou administrador.

A escolha dos papéis que compõem o fundo será feita de acordo com regras predefinidas. São essas as diretrizes que determinam a classificação do fundo em questão.

Veja a diferença entre as características de um fundo de renda fixa e um de renda variável:

  • Fundo de Renda Fixa: a cesta de produtos tem composição de, no mínimo, 80% em renda fixa. Os demais 20% podem ser derivativos, utilizados para manter os rendimentos em períodos em que a renda fixa está em baixa. 
  • Fundo de Renda Variável: podem ser considerados multimercados, de ações ou cambial, sendo compostos principalmente de ativos nessas categorias. Parte do portfólio pode ser alocada em renda fixa para mitigar os riscos. 

É possível verificar como a classificação de fundos de investimentos da Anbima funciona, nesse link.

Como você pode perceber, a principal diferença está na composição da carteira. 

Vantagens de Investir em Renda Variável

Descubra as vantagens do investimento em renda variável, ilustração

Ao contrário do que muitos pensam, investir em renda variável não é indicado apenas para perfis mais arrojados.

Existem muitas estratégias que podem ser utilizadas para diminuir os riscos nesse modelo de investimento.

Além disso, com a queda na taxa básica de juros, mais e mais investidores estão percebendo que a renda fixa, sozinha, já não é suficiente.

A seguir, você confere as principais vantagens do investimento em renda variável:

Maior potencial de rendimento

Essa é, sem dúvida, uma das características da renda variável que mais chama a atenção dos investidores.

Na renda fixa, apesar de previsíveis, os rendimentos são baixos. Já no investimento de renda variável, é possível lucrar bem mais.

Isso funciona tanto no curto, quanto no longo prazo. No entanto, é importante lembrar que isso também significa que a volatilidade dos ativos é grande.

Quanto maior o potencial de lucro, maior o potencial de prejuízo. 

Mais opções e oportunidades

Os ativos de renda variável são muito diversos. É possível investir em inúmeras empresas, grande ou pequenas. Você pode investir em setores, produtos, moedas, índices… são muitas possibilidades. 

Além disso, muitos desses ativos oferecem oportunidades de rendimentos mensais, como dividendos (no caso de ações), ou aluguel (no caso dos Fundos Imobiliários).

É possível até mesmo adquirir o direito ao voto em assembléias e ajudar a determinar o futuro das empresas nas quais você investe. 

Atualmente, investir em renda variável é mais acessível

Quando pensamos na Bolsa de Valores, é comum vir à mente a imagem de milionários gritando, num ambiente caótico. No entanto, a realidade do investimento em renda variável hoje é muito diferente.

Todas as operações são realizadas digitalmente, pela internet, através de uma ferramenta chamada home broker. Você tem acesso a essa plataforma ao abrir uma conta em uma corretora, como a Warren. 

Além da facilidade, os aportes mínimos para investir no mercado de ações também já são muito mais acessíveis. Não é preciso ter muito dinheiro para começar a investir.

Desvantagens de Investir em Renda Variável

Saiba as desvantagens do investimento em renda variável, ilustração

Assim como todo tipo de investimento, a renda variável também apresenta algumas desvantagens.

A seguir, apresentamos os principais pontos negativos para você considerar, antes de escolher investir em renda variável:

Maior risco e volatilidade

O investimento em renda variável sempre será acompanhado de um certo grau de risco maior, quando comparado com renda fixa.

Isso acontece até mesmo com ações de empresas já estabelecidas no mercado.

O motivo do risco é que não existem garantias de que os ativos irão se comportar conforme previsto, e nem que seu rendimento será positivo. 

Por exemplo, quando você investe em renda fixa, sabe que receberá de volta o valor aplicado, acrescido dos juros acordados no momento da compra.

Porém, quando você compra uma ação que hoje vale R$ 20, não existe um meio de saber se amanhã ela estará valendo R$ 25, 30, ou 10. 

Assim, é possível ter prejuízos com o investimento em renda variável. 

É preciso possuir maior conhecimento do mercado financeiro

É verdade que existem muitas estratégias e análises que podem reduzir os riscos associados ao investimento em renda variável.

No entanto, para isso acontecer, o investidor precisa ter um pouco mais de experiência e conhecimento do mercado se quiser comprar e vender ações sozinho. 

Lembre-se que investir em renda variável não se trata de apostar, mas sim, de identificar ativos com alta probabilidade de valorização.

Dessa forma, é recomendado que o investidor conheça bem o tipo de ativo que está comprando, qual a empresa emissora e a dinâmica do mercado antes de tomar uma decisão. Ou, se preferir, investir em fundo de ações, como os da Warren, por exemplo, e deixar esse papel de curadoria das ações com o Gestor dos fundos.

É preciso ser paciente e controlar as emoções

O preço de ativos oscila bastante; é comum que caiam e voltem a subir em questão de dias (ou horas).

Dessa forma, em muitos casos, não é porque uma ação desvalorizou uma única vez, que você precise vender os ativos imediatamente. 

Muitos investidores têm dificuldades em controlar a ansiedade causada por esse tipo de situação. O medo de sofrer um prejuízo ainda maior, caso o ativo continue a desvalorizar, pode dominar a mente do investidor, o levando a vender suas ações de maneira impulsiva. 

Investimentos em renda variável são recomendado para perfis com maior tolerância ao risco; são para investidores que conseguem manter a calma e realizar uma análise mais completa e objetiva antes de tomar decisões.

Comece a Investir em Renda Variável Com a Warren

O investimento em renda variável é mais simples com a Warren, ilustração

Aqui na Warren, o investimento em renda variável é muito mais eficiente e prático.

Você conta com um fundo de ações brasileiras e um fundo de ações americanas para compor a sua carteira de investimentos. Além disso, temos também um fundo multimercado. Saiba mais sobre eles aqui.

Custos

Um dos pontos mais importantes no momento de escolher uma corretora para fazer seus investimento é entender quais os custos envolvidos. 

Aqui também queremos destacar o quanto valorizamos a transparência. Você pode entender tudo que está incluso no nosso custo de gestão ativa nessa página.

Os fundos próprios da Warren têm taxa ZERO. O custo da gestão ativa, por sua vez, é a partir de 0,5% ao ano. Sabia que esse número está cerca de três vezes mais baixo que a média do mercado?

Nesse valor estão inclusos todos os nossos serviços. 

Abra Sua Conta Conosco

Abrir uma conta com a Warren é um processo completamente digital e rápido. E o melhor: você não paga nada para criar sua conta!

Basta clicar nesse link e responder a algumas perguntas simples para começar.

Você já sai do cadastro sabendo qual é seu perfil de investidor, além de nossas melhores recomendações de investimentos para você. É possível começar a investir no mesmo instante!

Conclusão

O investimento em renda variável apresenta mais riscos. Mas, em compensação, suas possibilidades de rendimentos são maiores.

Ao contrário do que muitos imaginam, esses ativos não são indicados apenas para perfis de investimento arrojados. 

Na verdade, o recomendado sempre é diversificar seu patrimônio. Ou seja, é importante ter recursos aplicados tanto na renda fixa quanto na variável.

Essa é uma das principais estratégias para potencializar seus rendimentos e diminuir os riscos.

Nesse artigo, você aprendeu tudo que precisa saber sobre o investimento em renda variável. Lembre-se: essa é uma modalidade um pouco mais complexa.

Desse modo, é importante acompanhar as notícias do mercado em fontes confiáveis e pesquisar um pouco sobre o tipo de ativo escolhido, antes de tomar qualquer decisão relacionada aos seus investimentos.

Por fim, quer continuar aprendendo sobre investimento em renda variável? Confira esses outros artigos que separamos para você: