A LCA, ou Letra de Crédito do Agronegócio, é um título de renda fixa. Emitido por instituições financeiras, ele tem seu foco em investimentos no agronegócio. Isso quer dizer que os valores emprestados a estas instituições deverão ser destinados a operações no setor agrícola.

O segmento do agronegócio não é limitado apenas à agricultura e à pecuária. Ele também engloba atividades desenvolvidas pelos fornecedores de sementes ou insumos, equipamentos, serviços, industrialização e comercialização da produção agropecuária.

O Brasil é um país que depende da agricultura, e a LCA é uma oferta frequente de bancos e outras instituições financeiras para o financiamento das atividades no setor.

Como é o investimento em LCA na prática?

Como dissemos anteriormente, os valores levantados com a emissão de LCAs são utilizados pelos bancos para financiar as atividades do agronegócio, incentivando esse mercado.

Inclusive, uma das características mais importantes desse tipo de investimento é a isenção do imposto de renda, uma estratégia governamental para estimular investidores a aplicarem seu capital neste título.

Nos investimentos em Letras de Crédito do Agronegócio, existe um valor mínimo para aplicações, que pode variar a cada emissão. Isso quer dizer que o investidor não pode escolher este ativo se não tiver a quantia necessária para aplicar.

Outro aspecto a ser considerado é o prazo de carência, bastante comum nesse tipo de aplicação. A carência é o tempo mínimo que o dinheiro precisa ficar investido sem que o investidor possa reavê-lo.

Além dele, existe também o prazo de vencimento, que é o período durante o qual o investimento será feito. No caso das LCAs, o mais frequente é que o resgate do capital investido e dos rendimentos só possa ser feito na data do vencimento.

Em geral, o prazo de vencimento das LCAs é em torno de 1, 2 ou 3 anos. No entanto, há títulos com vencimento mais longo, que podem chegar até 10 anos, ou mais curtos, de 3 a 6 meses.

Classificação da LCA

Assim como outros títulos de renda fixa, as Letras de Crédito do Agronegócio possuem uma classificação de acordo com a rentabilidade que oferecem.

  • Prefixado: nessa modalidade, o investidor sabe quanto receberá de retorno na data de vencimento desde o início, pois a taxa de juros é fixada no momento da aplicação.
  • Pós-fixado: neste caso, o investidor só sabe o quanto irá receber de retorno no final do investimento. Porém, é possível fazer uma estimativa de sua rentabilidade, uma vez que o retorno de sua rentabilidade está atrelado a algum indicador financeiro, como o CDI (Crédito de Depósito Interbancário) ou a Taxa Selic.
  • Híbrido: este modelo é uma junção dos dois anteriores, com uma taxa preestabelecida acrescida da variação de um indexador como, por exemplo, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).