O que é mercado secundário

O mercado secundário é o mercado no qual os investidores podem fazer transações de ativos financeiros com outros investidores.

Ao contrário do que ocorre no mercado primário, nesse ambiente, não há negociações diretas com os emissores desses ativos.

Como funciona o mercado secundário?

Para entender o funcionamento do mercado secundário, é preciso compreender que os títulos financeiros são emitidos no mercado primário. Somente depois é que eles poderão ser negociados no mercado secundário.

No mercado primário, as negociações são feitas apenas uma vez, entre o emissor e o primeiro comprador. Este emissor pode ser uma empresa, instituição financeira ou o próprio governo, que emitem papéis para arrecadar recursos de investidores interessados.

Se o comprador quiser vender o título para uma terceira pessoa, essa transação acontecerá no mercado secundário, onde títulos já emitidos são negociados.

Neste mercado, o preço pode variar de acordo com diversos fatores, tanto econômicos quanto não-econômicos.

O mercado secundário é de vital importância para o sistema financeiro, pois permite que seus agentes canalizem seus interesses e realizem a troca de papéis.

Hoje em dia, isso ocorre de forma eletrônica, por meio de plataformas específicas, como o home broker.

Como acessar o mercado secundário?

O mercado secundário é o dia a dia da bolsa de valores. Para ter acesso a ele, o investidor precisa ter uma conta em algum banco ou corretora que negocie nesse ambiente.

Porém, o mercado secundário não se trata apenas do ambiente da bolsa de valores. 

Quando, por exemplo, uma pessoa repassa duplicatas para o Fundo de Investimentos em Direitos Creditório, está usando o mercado secundário para obter liquidez.

Isso ocorre porque o repasse de duplicatas é uma forma de antecipar os ganhos que serão recebidos.

Tipos de mercado secundário

Podemos dizer que há dois tipos de mercados dentro do mercado secundário: o mercado organizado e o mercado não organizado.

  • Mercado Organizado: Caracterizado principalmente por sua transparência, esse é o mercado regulamentado de negociação, onde as operações são realizadas por meio de uma câmara de compensação, que garante o seu bom funcionamento. Um exemplo de mercado organizado é o mercado futuro.
  • Mercado não organizado: Também chamado de mercado de balcão ou Over the Counter (OTC), neste mercado não existe regulamentação. Os custos são mais baixos, há menos garantias e maior possibilidade de alavancagem. Nos mercados OTC, o preço não é muito transparente e, em muitos casos, pode haver conflitos de interesse. Exemplos desse mercado são os contratos por diferença (CFDs) e o mercado Forex. 

Na Warren, você investe em ações, FIIs, ETFs e BDRs sem pagar taxa de corretagem. Quer começar? Abra sua conta e invista agora mesmo.

Gostou da leitura? Continue aprendendo sobre os termos do mercado financeiro aqui no Educação de A a Z: